Buscar

Alta do diesel nas refinarias deve impactar custo do frete

O aumento do preço do diesel em 6,1% nas refinarias, anunciado pela Petrobras no dia 5 de janeiro, impactará diretamente o custo operacional do transporte rodoviário de cargas.

Conforme a empresa, se repassado integralmente aos consumidores, nas bombas a alta do diesel pode chegar a 3,8% (o equivalente a R$ 0,12 o litro).

Com base nessa estimativa, estudo da NTC&Logística (Associação Nacional de Transporte de Cargas e Logística) aponta que o frete pode subir cerca de 1,1%.

O cálculo considerou o consumo de combustível de um caminhão trator 4x2 tracionando carreta furgão de três eixos, com capacidade para 26,2 toneladas de carga.

A previsão é que o custo tenha um aumento médio de 0,85% a 1,1%, variando conforme a distância, explica Neuto Gonçalves dos Reis, diretor técnico da NTC&Logística.

Isso porque, dependendo o tipo de operação, o gasto com combustível representa de 15% a 40% do custo do transporte. O menor índice é para fretes urbanos ou em rotas curtas.

Já no transporte rodoviário, como para o agronegócio, em que são utilizados veículos pesados com grandes distâncias, o peso do combustível pode subir para 40%.

"É um aumento significativo porque, no mês passado, já tivemos um aumento na faixa de 1,2%. Somadas as duas altas, isso pode representar a margem de lucro do transportador, que já é muito pequena.

A nossa recomendação é que esses aumentos sejam repassados ao frete, porque eles estão sendo mensais", diz Neuto Gonçalves.

Revisão de preços

A Petrobras justificou a alta do preço do diesel nas refinarias com base na elevação do petróleo nos mercados internacionais, na valorização do real desde a última revisão de preços (em dezembro) e em ajustes na competitividade no mercado interno de gasolina e diesel. A gasolina permaneceu inalterada.

Desde setembro do ano passado, a estatal adotou uma nova política, com revisões periódicas dos preços dos combustíveis, a fim de adequar os valores ao mercado internacional.

Desde então, três combustíveis mais caros

Em um ano, o litro do diesel ficou aproximadamente R$ 0,05 mais caro. Em janeiro de 2016, o preço médio do diesel comum foi de R$ 3 e o do S-10 foi de R$ 3,14, segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Na primeira semana de 2017, o litro do diesel comum ficou, na média, em R$ 3,04 e o do S-10, em R$ 3,19. A gasolina passou de R$ 3,67 para R$ 3,76. Já o etanol aumentou de R$ 2,71 para R$ 2,86.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.