Buscar

Após prisão, polícia acha mensagens eróticas de pai a outra colega do filho

Homem de 58 anos foi preso há uma semana após conversas pelo WhatsApp.Ele ofereceu R$ 200 à criança de 11 anos por vídeo dela com outras garotas.

A polícia identificou outra vítima de um homem de 58 anos que foi preso, na semana passada,por assediar uma colega de escola do filho dele, de 11 anos, em Alto Boa Vista, a 1.064 km de Cuiabá. A outra menina também tem 11 anos e era amiga do filho dele.

O delegado Marcelo Henrique Maidame, que investiga o caso, disse que encontrou no celular do suspeito mensagens de cunho erótico encaminhadas para o celular da vítima.

A menina foi chamada para prestar depoimento. Acompanhada da família e do Conselho Tutelar, ela confirmou o assédio ao delegado.

O homem, que é instalador de antenas parabólicas, confessou à polícia ter assediado a menina com mensagens enviadas pelo WhatsApp, um aplicativo de celular, e disse ter pego o número dela no celular do filho, sem que ele soubesse. Ele já foi indiciado por exploração sexual das duas crianças, que eram colegas, de acordo com a polícia.

Assédio

Os abusos ocorriam sempre da mesma forma, com mensagens eróticas e ofertas de presentes e dinheiro para que as vítimas atendessem aos pedidos do homem. A abordagem era feita com elogios. Dizia que a vítima era "a garota mais linda da cidade", segundo a Polícia Civil.

Uma das solicitações feitas à segunda vítima foi para que ela procurasse uma adolescente e uma jovem de 18 anos, com quem o homem já teria mantido contato por telefone, e mantivesse relações sexuais com elas.

O suspeito pediu ainda, segundo a polícia, que a menina de 11 anos filmasse a cena e mandasse para ele pelo celular. Para isso, ofereceu R$ 200. A vítima disse que se recusou a fazer o que ele queria. Para as outras duas garotas, ele teria prometido pagar R$ 50 a cada uma.

A segunda vítima já tinha sido assediada pelo homem quando tinha 8 anos. À época, ela frequentava a casa dele para brincar com o filho do suspeito, da mesma idade dela.

Porém, de acordo com a polícia, houve uma pausa nos assédios, até que no início deste ano, o homem conseguiu o contato da menina e começou a mandar mensagens, fotos dele se masturbando e vídeos de mulheres mantendo relações sexuais.

A família da garota não sabia da troca de mensagens. Ela vive com a avó, e os pais são separados.

Primeira denúncia e investigação

O caso chegou ao conhecimento da polícia pela mãe da primeira vítima. A mulher viu as mensagens no celular da filha e denunciou o crime.

À polícia, a menina de 11 anos contou que conversava com o homem desde janeiro deste ano e que, algumas vezes, falava que não queria mais conversar e que ele era um velho.

"No celular dele encontramos vários vídeos e fotos pornográficos", disse o delegado. O inquérito sobre o caso já foi concluído e encaminhado ao Judiciário.

O homem ainda não tinha passagem pela polícia. Ele foi encaminhado para a cadeia pública de São Félix do Araguaia, a 1.159 km da capital.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.