Buscar

Em 3 anos, uso de internet pelo celular cresce quase 8 vezes no Brasil

Na quinta-feira, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC.br) divulgou a TIC Domicílios 2013, versão mais recente da pesquisa mais abrangente sobre o uso de computadores, internet e telefone celulares no Brasil. Na avalanche de informações, ficamos sabendo, por exemplo, que 2013 foi o primeiro ano na história no qual mais brasileiros usam a internet que não. No ano que vem, dada a toada dos últimos anos, 2014 deverá ser o primeiro ano no qual a maioria dos lares brasileiros terá um computador, fenômeno alimentado pelo crescimento nas vendas de laptops (ano que vem, é provável que os laptops tomem a liderança dos desktops entre os tipos de consumidores que temos em casa). Se você tem interesse no assunto, perca um tempo nas tabelas e na apresentação da pesquisa.

Todas as estatísticas sobre computadores, telefones e banda larga são incrementais, uma gotinha a mais num balde já relativamente cheio. Menos uma. O dado que mais chamou atenção na pesquisa toda diz respeito ao uso de internet pelo celular no Brasil. Em 2010, 4% da população brasileira usava o smartphone para ver e-mails e navegar em redes sociais. No ano passado, o número saltou para 31%, um aumento de quase oito vezes em três anos. Há algo aqui que merece ser analisado com um pouco mais de atenção. O que justifica o violento crescimento entre 2010 e 2011 do gráfico acima, quando o número quase quadruplicou? O desespero da Tim. Em 2010, como parte de uma estratégia agressiva para retomar participação de mercado perdida, a operadora italiana lançou o primeiro serviço de internet pré-paga por 50 centavos de real por dia. Juntas, as apostas fizeram da Tim a operadora que mais cresceu no mercado brasileiro de telecomunicações dos últimos anos. A operadora ficou líder dos pré-pagos no Brasil, categoria de serviço de três quartos dos brasileiros, e ultrapassou a Claro na vice-liderança do setor geral.

Com a debandada de usuários pré-pagos para a Tim, as operadoras rivais Oi, Claro e Vivo também criaram pacotes de acesso à internet com chamadas de longa distância por um preço fixo nos meses seguintes. Estava pronto o cenário para que o uso de internet no celular (3G, preponderantemente) se popularizasse no país. Ao desbloquear o acesso à internet pelo celular dos planos pós-pagos, as operadoras incentivaram o uso da maior fatia dos consumidores nacionais (os pré-pagos), o que por sua vez significou a base para que o mercado de apps se fortalecesse por aqui. É impossível imaginar a popularização do Waze, preferido por quem precisa enfrentar horas semanais de congestionamento, ou o Tinder, para solteiros e puladores de cerca de ocasião, sem planos de 3G mais baratos.

É difícil também pensar na proliferação de aplicativos de táxi não fossem planos do tipo, não só pelo consumidor, mas também pelos taxistas. A web pré-paga não é o único fator, vale esclarecer: o barateamento de smartphones e a tradicional venda à prestação também ajudou. WhatsApp? Facebook? Estariam aí ainda, mas certamente menos populares. Se hoje você tem campanhas publicitárias em apps e empreendedores buscando criar o próximo Waze no Brasil é por que uma operadora com market share em queda resolveu apostar em algo que parecia, em curto prazo na época, uma barbeiragem.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.