Publicado em 08/03/2019 às 09:27, Atualizado em 08/03/2019 às 13:34

Arrastão contra a dengue mobiliza equipes da saúde no combate ao mosquito aedes aegypti

Cogecom,

Fotos: João Cláudio

Cb image default

A Secretaria Municipal de Saúde de Nova Andradina reuniu as equipes de agentes de saúde e controle de zoonoses para realizar mais um arrastão em busca de potenciais criadouros do mosquito da dengue na região do Argemiro Ortega, Centro Educacional e bairros circunvizinhos.

Com apoio de um caminhão, as equipes percorreram os imóveis e visitaram áreas de risco, orientando os moradores e retirando entulhos que podem acumular água e possibilitar os criadouros do mosquito aedes aegypti que transmite não só a dengue, mas também a febra amarela, a gripe chikungunya e o zika vírus.

A casa do senhor Edisel Francisco, de 65 anos, foi uma das visitadas pelos agentes. Neste local, os agentes encontraram agua parada dentro de um veículo coberto com lona, estacionado no quintal. Ele ficou surpreso e assumiu o compromisso de retirar a água acumulada. “Eles estão fazendo o trabalho deles para nos proteger da dengue. Eu nem sabia que tinha água no carro. Vou retirar isso o quanto antes”, disse o aposentado, que mora junto com a esposa, também idosa.

Ao lado deste imóvel, os agentes entraram numa residência de madeira, onde também recolheram garrafas de vidro e latas.

Todas as residências e áreas comerciais localizadas no quadrilátero entre as ruas Espirito Santo com a rua Gentil Duarte até a Verni Castro com a rua Luiz Antonio da Silva foram visitadas nesta quinta-feira, dia 7 de março. Os criadouros mais encontrados foram garrafas pet, potes de sorvete e iorgute, sacolas plásticas,

Nesta sexta, as equipes vão percorrer a área que compreende a avenida Alcides Menezes Faria até a avenida José Heitor de Almeida Prado, e depois as ruas dos bairros Santa Terezinha, Vila Operária e adjacências.

A Saúde pede que os moradores colaborem com a ação, abrindo as portas da residência para os agentes municipais. “A equipe trabalha devidamente uniformizada e identificada para a segurança da população”, afirma diretor de Vigilância em Saúde, Lúcio Roberto Tolentino.

“O arrastão é necessário para manter o controle das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti através da coleta de criadouros e conscientização da população. É uma medida pontual que estamos adotando nas áreas onde existem suspeita de casos de dengue”, completa.

Casos na cidade

Segundo informações da Secretaria de Saúde, atualmente, há mais de 40 notificações de suspeita de dengue na cidade, sendo 8 confirmados. Há ainda casos de suspeita de casos de dengue hemorrágica.

Arrastões

Os “arrastões” previnem possíveis surtos de contaminação, que costumam acontecer no verão com a elevação de temperatura e intensidade de chuvas, que possibilita e proliferação do mosquito.

A Vigilância alerta para a retirada de qualquer objeto que possa servir para esse fim: pneus, latas, vidros, garrafas, vasos de flores, pratos de vasos, caixas de água, tonéis, latões, cisternas, piscinas, tampinhas de garrafas, bebedouros de animais, entre outros.