Buscar

Austeridade é fundamental durante o momento de crise, afirma Azambuja 

Declaração foi feita pelo governador de Mato Grosso do Sul durante agenda em Nova Andradina  

Governador falou sobre a crise que afeta os municípios - Imagem: Bárbara Ballestero/Nova News

Na tarde deste sábado (29), o governador do Estado de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) chegou ao município de Nova Andradina, onde ele entrega obras, participa do Dia D da Caravana da Saúde, que acontece no município, e realiza outras ações. Em entrevista ao Nova News, ele falou sobre a crise que afeta o país. 

 

Para Reinaldo, são poucos os estados brasileiros que apresentam um índice de crescimento real. De acordo com o governador, o Mato Grosso do Sul teve um crescimento nominal de 6.78% nas receitas durante o primeiro semestre, mas, nas palavras de Azambuja, o crescimento é negativo quando se computa a inflação desse mesmo período. 

 

“A tendência da economia brasileira é recessiva. Isso diminui os investimentos, as pessoas estão mais restritivas em ousar e tudo isso tem causado uma preocupação que é o desemprego”, disse.

Reinaldo Azambuja classificou que a grande preocupação do Governo do Estado é a manutenção de empregos e explicou que o cenário brasileiro nesse ambiente de crise política e econômica é muito preocupante. Segundo ele, durante um encontro que aconteceu na cidade de Cuiabá (MT), com seis governadores de outros estados, a sensação era de preocupação.  

 

Saiba mais
  • Azambuja entrega obras e participa da Caravana da Saúde na cidade de Nova Andradina

Azambuja contou que, em conversa com os outros gestores, todos declararam preocupação com referência ao cenário sombrio em que se encontra a economia brasileira. 

 

“É necessário que haja uma reação, mas é bem provável que tenhamos dois anos recessivos, e isso causa, sem dúvida, certa preocupação”, pontuou. Questionado pela reportagem sobre a situação caótica em que se encontram vários municípios do Vale do Ivinhema, onde a maioria dos prefeitos estão tendo que cortar gastos para equilibrar as contas das prefeituras, o governador disse que essa situação se espalha pelos 79 municípios do Estado. 

Azambuja disse que a baixa do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) é brutal, mas, conforme ele, o estado do Mato Grosso do Sul conseguiu manter o ICMS. “O crescimento da despesa é nominal. Ela acontece naturalmente, tanto de pessoal, como de custeio, e isso preocupa. Como resolver isso no momento de crise? Com austeridade", ponderou.

 

Reinaldo ainda afirmou que é preciso diminuir, fazer cortes, conter todas as despesas e, infelizmente, cortar alguns investimentos. "Não é possível fazer investimentos sem a previsão de receitas. Essas são algumas medidas para tentar vencer esse período de dificuldades", finalizou o governador.   

Autoridades locais e regionais participaram da visita de Azambuja - Imagem: Bárbara Ballestero

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.