Buscar

Batayporã: Escola estadual sofre com precariedade  na infraestrutura 

Vídeo mostra goteira na sala de tecnologia durante forte chuva que caiu no município na tarde desta terça-feira (25)

Confira o vídeo:

jwplayer("container_video_207251").setup({file: "https://www.youtube.com/watch?v=cv4qvnj8d4Y&feature=youtu.be",width: "300",height: "225"});

Um vídeo divulgado na tarde desta terça-feira (25) revoltou professores, pais, alunos e a população da cidade de Batayporã. A gravação mostra a sala de tecnologia da Escola Estadual Braz Sinigáglia com várias goteiras, durante forte chuva que caiu no município. 

 

A sala que possui equipamentos de informática destinados à pesquisa dos docentes ficou cheia d’água, comprometendo as aulas e colocando em risco os computadores da instituição de ensino.

Segundo levantamento realizado pelo Nova News, a construção da escola foi iniciada em 1965 com a edificação de três salas de aula. Cinco anos mais tarde, na década de 1970, no mandato do então governador do Estado, Pedro Pedrossian, a escola recebeu mais uma obra, dessa vez, o “Forte Apache”, que foram dois pavilhões de salas para os alunos. Segundo o diretor adjunto, José Miguel, a escola foi construída com a ajuda do governo estadual e também do governo municipal.

Em 1996 a Escola Braz Sinigáglia foi contemplada com uma reforma geral, porém, na execução da obra, o Estado entendeu que apenas uma recuperação das salas de aula seria suficiente. Depois disso, a escola recebeu apenas uma pintura, que foi realizada no ano de 2000. Em contato com a diretora da escola, Claudenice Bastos, o site recebeu a informação de que a cobertura dos prédios é de telhas de barro e telhas e amianto, e que, segundo ela, necessitam de manutenção periódica. 

 

A reportagem apurou ainda que a escola teria sido contemplada, há alguns anos, com uma reforma que seria realizada através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), porém as obras não saíram do papel. De acordo com um pai de aluno, membro da Associação de Pais e Mestres (APM), a escola esta a ponto de desabar, devido a precariedade do telhado. 

“Meus filhos estudam nessa escola e quando eles entraram aqui a situação já era critica, e hoje então nem se fala. Acompanhei a luta do antigo diretor e agora a continuidade da professora Claudenice, mas, a Secretaria de Estado de Educação está esperando a escola desabar para depois tomar as devidas providências”, alfinetou.

O Nova News também levantou que em 2008 a escola teria sido contemplada com a construção de uma biblioteca, que seria iniciada no ano de 2009, porém, até o momento, nem a área de construção teria sido demarcada. Recentemente a escola foi contemplada com duas quadras cobertas, uma destinada através de emenda parlamentar e a outra pelo Pacto MS, uma parceria entre o Governo Federal e o Governo Estadual.

Um aluno do Ensino Médio, que preferiu não ser identificado, disse à reportagem que se sente triste em ver a situação precária da escola, e que os governantes deviam olhar mais atentamente para todas as escolas que passam por inúmeras dificuldades. “Nossa escola precisa de socorro. Ela está gritando e ninguém escuta. Daqui um ano eu já não farei mais parte dessa turma, já vou seguir para a faculdade, mas mesmo assim quero ver minha escola bonita, bem estruturada para receber bem os alunos”, desabafou. 

O Nova News entrou em contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Educação (SED) de Mato Grosso do Sul e recebeu a informação de que todas as denúncias deveriam ser encaminhadas via e-mail, para que o órgão pudesse se pronunciar sobre o caso. O e-mail com as informações necessárias foi encaminhado para o setor de comunicação da SED e o Nova News se coloca a disposição para eventuais esclarecimentos.

 

         Água das goteiras pode danificar equipamentos de informática - Reprodução 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.