Buscar

Batayporã reestrutura Serviço de Inspeção Municipal

Objetivo é garantir ainda mais a qualidade dos produtos de origem animal comercializados no município

Pensando em garantir ainda mais a qualidade dos produtos de origem animal comercializados dentro do município, a Prefeitura de Batayporã está reestruturando o Serviço de Inspeção Municipal (SIM), órgão vinculado a Secretaria Municipal de Agricultura e Desenvolvimento Sustentável.

Diante desse contexto, uma reunião foi realizada nesta semana com proprietários de casas de carnes, abatedouro frigorífico, entreposto de ovos e demais comerciantes que tenham interesse em aderir ao SIM, para informar sobre a nova forma de gestão e as mudanças das diretrizes do Serviço de Inspeção Municipal em decorrência da reinserção do município com o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI).

Oportunidade em que o diretor do órgão em Batayporã, o médico veterinário Rafael Olegário, orientou os empreendedores quanto a Lei Municipal 768/2008, que instituiu e rege o SIM, bem como a Lei 919/2011 que estabelece taxas relacionadas ou decorrentes da atuação institucional do serviço de inspeção.

Cb image default
Reunião foi realizada nesta semana com proprietários de casas de carnes, abatedouro frigorífico, entreposto de ovos e demais comerciantes - Foto: PMB/SIM

Representantes do Consórcio Público de Desenvolvimento do Vale do Ivinhema (Codevale), o médico veterinário Erick Oliveira Brito e o diretor de Projetos, Diego Moreira da Silva, participaram do encontro e instruíram os empreendedores quanto ao cadastro e atualização dos estabelecimentos que possuem o selo de inspeção SIM.

Ao término da reunião, os empresários receberam documentos e formulários para atualização dos estabelecimentos já cadastrados e possível adesão.

O Diretor do SIM pondera que a reestruturação do órgão tem como proposta assegurar a qualidade dos produtos consumidos pela população, proporcionando confiança e segurança nos alimentos registrados e inspecionados. “Nossa intenção é acabar com produtos clandestinos e sem precedência no comércio local”, completou Olegário.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.