Buscar

Beto Sãovesso se reúne com técnicos da Funasa e discute otimização da coleta de lixo

Na manhã desta quarta-feira (23), o prefeito de Batayporã, Beto Sãovesso (PSDB), recebeu em seu gabinete técnicos da Funasa (Fundação Nacional de Saúde) para discutir formas de aperfeiçoamento e organização na coleta e separação dos resíduos sólidos produzidos na área urbana do município. De acordo com o chefe do Executivo Municipal, Batayporã está prestes a colocar em funcionamento o seu aterro sanitário, atendendo a determinação do Governo Federal, que tem como meta extinguir, até o próximo mês de agosto, todos os chamados “lixões” no Brasil.

A cidade de Batayporã está prestes a colocar em funcionamento o seu aterro sanitário (Foto: Divulgação)

Segundo Sãovesso, a reunião partiu de convite do secretário de Obras, Sidney Olegário, para que os técnicos da Funasa, em parceira com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, discutissem uma forma de aperfeiçoar ainda mais a coleta de resíduos do município. Para o gestor, o encontro serviu para discutir uma forma de organização, através de cooperação técnica entre catadores e separadores que trabalham com estes resíduos. “Essa e uma luta que travamos para conscientizar a população sobre a importância na separação dos resíduos a fim de que eles sejam coletados pelo município. Temos que alertar a comunidade de que saúde pública que está em jogo”, lembrou.

Para João Carlos Veríssimo, responsável técnico pelo Setor de Saúde Ambiental da Funasa, o município de Batayporã é um dos poucos do Estado que está com seu processo de organização bem adiantado, com quase 90% de seu aterro sanitário concluído, restando apenas organização, por parte dos profissionais que atuam na coleta e separação dos materiais. Nas palavras dele, para que a UPL (Unidade de Processamento de Lixo), funcione de forma a gerar emprego e renda às pessoas que ali atuam, deve haver organização, através de uma associação de catadores ou cooperativa. Segundo ele, somente desta forma os catadores poderão pleitear recursos para qualificação profissional e até aquisição de equipamentos para facilitar o trabalho de separação.

“Não estamos aqui para impor nada, ao contrário, queremos ajudar na organização destes trabalhadores. A população tem que ter conhecimento da importância do trabalho destas pessoas para a comunidade. O lixo não pode ser tratado como um problema, e sim, como uma solução de geração de emprego e renda para aqueles que lidam com esse produto”, explica. Após a reunião, e acompanhados pela secretária de Meio Ambiente, Darziza Maria de Jesus, os técnicos estiveram visitando a Usina de Reciclagem e o local onde está sendo instalado o Aterro Sanitário do município. 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.