Buscar

Com homenagem a precursoras, Conselho da Mulher celebra 10 anos

Câmara presta homenagem ao Conselho da Mulher, à primeira coordenadora de órgão instituído em favor de políticas para as mulheres e à ex-vereadora

A Câmara de Nova Andradina promoveu nessa segunda-feira (19), durante sessão ordinária, entrega de moção de parabenização pelos 10 anos do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. Foram homenageadas, a presidente do Conselho da Mulher, Meise Silvestrin Biembengut, a ex-vereadora Célia Dan, responsável por efetivar iniciativas em favor das Políticas para as Mulheres, e a primeira coordenadora da Coordenadoria da Mulher, Edna Chulli.

“Tanto o Conselho da Mulher quanto as precursoras, sempre demonstraram sensibilidade com a causa feminina. Pelo trabalho comprometido e incansável para garantir direitos às mulheres, merecem nosso reconhecimento”, afirmaram os vereadores em documento entregue às homenageadas. O reconhecimento também foi estendido às conselheiras que representam segmentos da sociedade e do Poder Público no Conselho da Mulher.

Ao retratar a trajetória do grupo de militantes feministas que foi precursor de iniciativas para chamar a atenção da sociedade sobre a importância da emancipação feminina, a Câmara também destacou a eleição da vereadora Célia Dan, que idealizou e empenhou esforços para implantação da Coordenadoria de Políticas Públicas para a Mulher, pioneira no município e segunda instalada no Estado.

Cb image default

Pioneirismo de mulheres e engajamento de Conselho em iniciativas que fomentam os direitos da mulher foram enaltecidos na Câmara  - Foto: Thiago Odeque

Também foi enaltecido pela Casa de Leis, o trabalho empreendido por Edna Chulli, primeira coordenadora da Coordenadoria da Mulher de Nova Andradina. Quanto ao Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, a Câmara destacou o respaldo dado às políticas públicas para a autonomia da mulher, responsável pelo fomento, incentivo e fiscalização das ações do Poder Público, da iniciativa privada e de toda a sociedade, em relação à mulher como ser participativo e construtor de uma sociedade econômica e socialmente equilibrada.

O trabalho da rede de atendimento à Mulher em situação de violência foi ressaltado como estruturado, devido à parceria excepcional com a Polícia Civil, através da Delegacia de Atendimento à Mulher, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Saúde, Defensoria Pública, Ministério Público e Judiciário.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.