Publicado em 26/03/2015 às 11:40, Atualizado em 26/04/2017 às 12:15

Consumidor  de Nova Andradina  está mais retraído com relação às compras para Páscoa

Aumento de preços de outros produtos pesou no bolso da população, dizem comerciantes, que preveem vender menos este ano 

Acácio Gomes, Redação Nova News

Esta semana, o Nova News manteve contato com vários comércios que atuam na venda de ovos de Páscoa e obteve a informação de que os clientes parecem estar deixando a aquisição dos produtos para a última hora. Em outras palavras, o consumidor de Nova Andradina está mais retraído com a relação às compras para a Páscoa de 2015.

Em quatro grandes supermercados da cidade, o site obteve a informação de que o consumidor está mais tímido do que com relação ao ano passado. “O consumidor vem, olha o produto, mas acaba não levando para a casa. Acreditamos que as vendas deste ano serão bem menores do que no mesmo período do ano passado”, disse o gerente de um supermercado da cidade.

Imagem: Acácio Gomes/Nova News

Ao contrário dos supermercados, que esperam vender mais na última semana que antecede a festa cristã, a gerente de uma franquia que atua exclusivamente no ramo de chocolates, afirma que as vendas estão bem aquecidas. "Não sei nos outros comércios, mas aqui o consumidor está antecipando as compras”, disse ela.

Dependendo da marca e do peso, o Nova News apurou que os ovos de Páscoa em Nova Andradina podem ser adquiridos por valores que variam de R$ 21,90 até R$ 90, mas há marcas menos conhecidas, que oferecem os ovos de chocolate por valores a partir de R$ 4,99, também dependendo do peso do produto.

Questionados sobre possível aumento de preço dos ovos em comparação com a Páscoa de 2014, os gerentes dos estabelecimentos afirmaram que praticamente não houve alteração. “Algumas marcas elevaram os preços em apenas 5%, outras mantiveram o mesmo patamar. Não creio que o cliente vá estranhar os preços praticados”, disse o responsável por um supermercado da cidade.

Imagem: Acácio Gomes/Nova News

Nas palavras de outro comerciante entrevistado, o que afeta as vendas são outros gastos que pesam no bolso do cidadão. “Este ano já tivemos aumentos consideráveis na energia elétrica, combustíveis e isso judia da população, por este motivo acredito que as vendas para a Páscoa serão bem mais fracas do que nos anos anteriores. A população está com dó de gastar este ano”, explicou.

O cenário registrado em Nova Andradina acompanha a tendência apontada por uma pesquisa divulgada nesta semana pelo Diário Digital. O estudo, queenvolveu as cidades de Aparecida do Taboado, Aquidauana, Anastácio, Campo Grande, Chapadão do Sul, Corumbá, Dourados, Ladário, Naviraí, Nova Andradina, Ponta Porã, São Gabriel do Oeste e Três Lagoas, aponta leve retração na perspectiva das compras.

Imagem: Acácio Gomes/Nova News

Variação de preços

Apesar de, segundo os comerciantes, não haver grandes alterações de preços em comparação com a Páscoa passada, pesquisa divulgada pela Superintendência de Orientação e Defesa do Consumidor em Mato Grosso do Sul (Procon-MS), aponta que a variação de preço dos ovos de Páscoa chega a 138,23% de um comércio para outro.

"A pesquisa é divulgada por uma questão de regulação do mercado, pois se há variações de até 138,29% é preciso buscar um entendimento comum para preços serem praticados de forma tão diferente para um mesmo produto”, citou a superintendente do Procon, Rosimeire Cecília da Costa.

A maior diferença de preços foi encontrada na linha Grande Sucessos da Lacta: o produto pode sair a R$ 32,70 em um estabelecimento enquanto o maior valor encontrado foi de R$ 77,90. O preço médio do produto ficou em R$ 61,66. A recomendação é de o consumidor faça uma pesquisa minuciosa antes de comprar.

Pescado

Nos últimos dias, a Agência Estadual de Metrologia (AEM/MS), órgão delegado do Inmetro, publicou o resultado da “Operação Pescado”, realizada entre os dias 9 e 27 de fevereiro, que verificou as marcas que apresentam segurança em termos de peso em relação a crustáceos, moluscos, frutos do mar e pescados em geral. 

Imagem: Divulgação

Durante a operação, foram fiscalizados 41 estabelecimentos comerciais com pescados congelados nos municípios de Três Lagoas, Aparecida do Taboado, Paranaíba, Cassilândia, Chapadão do Sul, Mundo Novo, Naviraí, Dourados e Campo Grande. No total, foram coletadas cerca de mil amostras, de 20 marcas distintas.

A pesquisa mostrou que 69% das amostras verificadas foram reprovadas, uma vez que a quantidade de gelo nos produtos era superior ao nível tolerado, ou seja, nestes casos, o cliente está pagando mais pelo peso da água congelada dentro da embalagem do que pelo próprio pescado que será consumido.

Serviço

Segundo as autoridades responsáveis pela área, os consumidores que necessitarem de informações podem entrar em contato com a ouvidoria da AEM/MS, pelo telefone 0800-67-5220. (Com dados do Notícias MS).