Buscar

“Educação não é mercadoria”, dizem manifestantes em ato contra cortes orçamentários

Ato em defesa da educação aconteceu na noite desta quarta-feira (15)

Fotos: Bárbara Ballestero/Nova News

Cb image default

“Educação não é mercadoria, a nossa luta é todo dia” diziam manifestantes empunhando cartazes em ato realizado na noite desta quarta-feira (15), na Praça Brasil, contra os cortes orçamentários recentemente anunciados pelo Governo Federal. O ato integrou a “Greve Nacional da Educação”, que ocorreu de forma simultânea em todo o país.

O movimento reuniu estudantes da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul) e forças sindicais. Durante a manifestação, representantes do SIMTED (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) de Nova Andradina também protestaram contra a reforma da Previdência.

Os cortes foram confirmados no último dia 30 pelo MEC (Ministério da Educação), quando cerca de 30% dos recursos orçamentários destinados à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) foram bloqueados, totalizando uma redução de R$29.784.641,00, sendo R$ 28.788.728,00 de custeio e R$ 995.913 de investimento para o exercício no ano de 2019.

Já do orçamento destinado ao Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) dos R$ 40.356.527,00 previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) para a instituição neste ano, R$ 16.948.528,00 foram bloqueados, o que representa em torno de 42% do orçamento discricionário da instituição.

Cb image default
Estudante Ane Caroline, comentando sobre o impacto dos cortes - Foto: Bárbara Ballestero/Nova News

"Tem muita gente que depende das bolsas pra se manter por aqui. Eu vim do interior de São Paulo pra estudar em Nova Andradina e só consigo continuar estudando porque conto com esse auxílio. Mesmo que digam que não vão mexer nas bolsas, não temos nenhuma garantia. Além disso, como vamos continuar participando dos projetos com todos esses cortes? Educação não é gasto, é investimento”, disse a estudante do curso de História, da UFMS, Ane Caroline, de 21 anos, ao Nova News.

Durante todo o dia, estudantes do IFMS, se manifestaram contra os cortes em passeatas realizadas no centro da cidade e divulgação dos projetos desenvolvidos no campus.

Cb image default
Estudantes do IFMS, durante passeata na área central da cidade - Foto: Bárbara Ballestero

"O ato nas ruas da cidade foi uma forma de chamar a atenção da população para que elas entendam o motivo pelo qual estamos lutando, é um ato de repúdio pelos cortes que vão comprometer o funcionamento do nosso campus, e em nome dos estudantes eu garanto que não vamos parar por aqui. Estamos dispostos a lutar com mais manifestações até que essa medida seja cancelada,” disse Breno Lucas, presidente do Grêmio Estudantil do IFMS.

Cb image default

De acordo com o apurado pelo Nova News no local, a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS-CPNA), Campus Nova Andradina, caminha para possível greve por tempo indeterminado.

O indicativo foi pautado durante o ato e deverá ser discutido em assembleia geral que será realizada no auditório da universidade na próxima segunda-feira (20). A reportagem apurou ainda, que a greve também poderá ser deliberada em Campo Grande, onde uma assembleia geral foi realizada, e uma comissão de greve foi montada.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.