Buscar

Mãe que perdeu filha há uma semana se vê em desespero com outra na mesma situação

Maiara Gomes Barzan, de apenas 8 anos, morreu com suspeita de hepatite e irmã também passou a apresentar os mesmos sintomas

Cheia de sonhos, ela era uma menina saudável que nunca ficou gravemente doente, porém, na primeira vez em que ficou internada, morreu duas semanas depois. Maiara Gomes Bazan, de apenas 8 anos de idade, era um dos cincos filhos de Roseane Aparecida Gomes de Moura, de 38 anos, e de Juvenal Bazan, de 48.

Ao lado do marido, a mãe da pequena Maiara ainda junta forças para seguir a vida sem a filha que mal pode desfrutar do presente que pediu para o Papai Noel no último natal. Os patins, que tanto desejou e com os quais ela nem chegou a brincar após ser presenteada pela tia.

O drama agora de Roseane é o desespero que ela se vê diante do mesmo problema que a filha de 12 anos também passou a apresentar. Internada no final da tarde desse domingo (21), ela ainda aguarda o resultado de exames para atestar a doença que a filha tem.

Sobre o que aconteceu com a Maiara, ela detalhou à reportagem que tudo começou alguns dias antes do ano novo. Antes de a menina ser internada no dia 30 de dezembro, a mãe relatou que procurou o Hospital Regional ‘Francisco Dantas Maniçoba’ para levar a filha que reclamava de dor na barriga.

Medicada e liberada nas duas primeiras vezes, a dona de casa conta que só na terceira vez o médico decidiu pela internação. Conforme a mãe, as dores da filha não cessavam e ela passou apresentar vômitos constantes.

Como se já não bastasse ver o sofrimento da filha que reclamava de dor o tempo todo, Roseane ressaltou que Maiara dizia que estava com dificuldade para enxergar. Após levá-la para consultar com um especialista em oftalmologia, foi constatado que as manchas de coágulo de sangue nos olhos seriam consequência dos vômitos.

A mãe afirmou que exames realizados na filha atestaram que ela estava com hepatite. Um exame detalhado para saber o tipo, segundo Roseane, ficaria em pronto em 20 dias e até esta segunda-feira (22) ela ainda não teve acesso ao resultado.

Cb image default
Mãe lamenta perda da filha Maiara, que apenas 8 anos, que morreu há uma semana - Foto: Luciene Carvalho/Nova News

“Quando saiu o resultado da ultrassom, o médico nos disse que foi constatada infecção na vesícula e no fígado já em estado avançado. Mesmo sendo medicada, o sofrimento e a dor da minha filha não passavam. Eu ficava sem saber o que fazer ao vê-la naquela situação, além de ouvir do médico dizendo que tudo estava normal”, desabafa Roseane.

Um dia antes de ser transferida para Dourados, a mãe de Maiara disse que viu a situação da filha se agravar. “Nunca imaginei ver isso um dia. Minha filha passou a não me reconhecer e perder os movimentos. No dia seguinte, outro médico a transferiu. A última vez que a vi no hospital ela gritava de dor e logo depois desfaleceu ao ser levada para o Hospital Universitário (HU) daquela cidade”.

Reanimada até chegar ao hospital, o último capítulo da triste história de Roseane foi marcado pela notícia do médico que a recebeu que a situação de Maiara era gravíssima e que apenas um milagre poderia salvá-la. “Logo que deu entrada no HU minha filha foi entubada e recebi a notícia que ela teve morte encefálica. Após mais sete dias internação, no último dia 15 de janeiro, infelizmente ela nos deixou”.

Ao lembrar da filha, Roseane se emociona ao lado do marido pedindo explicações sobre o que aconteceu de fato com a filha e porque demoraram tanto tempo para transferi-la. “É uma dor que não passa. Assim como qualquer outra criança, a levávamos para o hospital quando tinha alguma febre ou uma dor de garganta. Nunca esteve doente antes. Ela deu entrada no hospital andando e não voltou mais. Ela era uma menina que só nos dava orgulho. Passou para o terceiro ano e nunca deu trabalho na escola, pelo contrário, só tirava notas boas e tinha um ótimo comportamento. Será difícil continuar a vida sem a presença dela”, conta.

Agora, a mãe disse que tudo o que espera é que o hospital dê atenção à saúde da outra filha mais velha. “Assim como a Maiara, ela começou a reclamar de dor na barriga. Estamos desesperados. Não queremos que se repita o que já vivemos”, concluiu Roseane.

Direção do HR foi procurada pelo Nova News

O diretor do Hospital Regional, Nelson Custódio da Silva, foi procurado pelo Nova News a fim de dar esclarecimentos sobre o diagnóstico que levou à morte de Maiara e a internação da irmã com o mesmo sintoma. Ele disse que acompanhará ambos de perto ambos de casos e assegurou que o hospital tomará as medidas cabíveis para garantir total assistência.

Antes do fechamento da matéria há pouco, o diretor ligou para a reportagem e informou que o exame de hepatite B realizado em Maiara deu negativo. Outros resultados de exame são aguardados. Quanto à irmã que está internada no HR, ele disse que ainda chegou os resultados dos exames. Silva disse que a família pediu alta da menina a fim de encaminhá-la para uma unidade hospitalar de Presidente Prudente (SP).

O Nova News não conseguiu contato com a Secretaria Municipal de Saúde sobre a incidência de casos de hepatite registrada em Nova Andradina.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.