Buscar

Nível do Rio Ivinhema volta a subir e mais uma vez casas são invadidas pelas águas 

Imagem: Arquivo/Divulgação

Nos últimos dias o Rio Ivinhema voltou a subir e a água já passa quatro metros de seu nível normal. Devido a cheia, casas foram invadidas pela água e ribeirinhos estão sendo forçados a deixarem suas moradias. Pelo menos trinta imóveis foram tomados pelas águas, é o que indica a Defesa Civil da cidade de Ivinhema.

No final do ano de 2015 o Rio Ivinhema já havia registrado uma cheia parecida. Na época de chuvas intensas e estragos diários, a Prefeitura de Ivinhema chegou a decretar estado de emergência. As famílias ribeirinhas receberam atendimento do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil. Conforme os ribeirinhos, essa é a maior cheia do Rio Ivinhema, já registrada nos últimos anos.

Saiba mais
  • Chuvas  intensas  provocam  cheia  no Rio Ivinhema e águas interditam ponte na MS-141
  • Rio Ivinhema sobe e alaga estradas e casas
  • Corpo de peão desaparecido na área rural de Taquarussu é encontrado 

Os ribeirinhos receberam orientações com o objetivo de diminuir os riscos de acidentes como picadas de animais peçonhentos e afogamentos que possam ocorrer devido ao aumento do nível do rio. Na semana passada, um trabalhador rural de uma fazenda que fica localizada no município de Taquarussu morreu após cair com seu cavalo em uma valeta de varjão, que foi tomada pelas águas do Rio Ivinhema, devido a cheia.

As intensas e frequentes chuvas que têm atingido o Estado de Mato Grosso do Sul nos últimos meses, resultaram também em várias estradas rurais danificadas, que por sua vez, tem causado certos transtornos aos moradores de toda a região. Principalmente aos agricultores que precisam utilizar as vias para escoação de produção.

Conforme reportagem produzia pela TV Morena, afiliada da Rede Globo, desde o fim de 2015, cerca de 90 pontos foram danificadas pelas fortes chuvas. A Secretaria de Obras do Estado espera receber nesta semana R$ 21 milhões do Ministério das Cidades para reconstruir um terço das pontes atingidas.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.