Buscar

Nove projetos são selecionados pela Fundect para iniciação científica

IFMS foi a instituição de ensino que mais teve propostas aprovadas pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul

Cb image default
Alunos do campus de Nova Andradina foram contemplados - Foto: Divulgação

O Instituto Federal do Mato Grosso do Sul (IFMS) teve nove projetos contemplados na seleção pública de projetos de Iniciação Científica Júnior promovida pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect).

Com isso, a instituição foi a que mais teve projetos selecionados – foram contemplados 19 no total. O resultado final foi publicado no Diário Oficial do Estado no dia 20 de abril.

A chamada pública prevê a concessão de até 130 bolsas no valor de R$ 100 reais mensais por aluno matriculado no Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Os projetos serão desenvolvidos com equipes compostas por, no mínimo, três e, no máximo, 10 estudantes, além dos professores coordenadores de cada proposta.

Com o objetivo de despertar a vocação científica e incentivar entre os estudantes mediante a participação em atividades de pesquisa científica e/ou tecnológica, por meio da chamada pública foram selecionados projetos de pesquisadores vinculados a instituições de nível superior do Estado, com propostas em parceria com escolas da rede pública de ensino.

Projetos – Foram selecionadas propostas dos campi Campo Grande (2), Corumbá (2), Naviraí (1), Nova Andradina (3) e Três Lagoas (1) do IFMS. Os projetos abordam temáticas diversas voltadas a Ciências Agrárias, Física, Informática, Língua Espanhola, Língua Portuguesa, Matemática e Química.

Um dos contemplados intitula-se “Manifestações mágico-religiosas no léxico dos habitantes de municípios do Vale do Ivinhema”, e é coordenado pela docente de Língua Portuguesa do Campus Nova Andradina, Danyelle Saraiva.

A proposta se destina ao estudo do léxico – conjunto de palavras existente em um determinado idioma – dos habitantes dos municípios que compõe a região do Vale do Ivinhema (Nova Andradina, Batayporã, Ivinhema e Angélica) que façam referência ao tema religiosidade. Para isso, serão aplicados questionários junto aos moradores da região.

Uma vez que léxico se vincula ao patrimônio vocabular de uma comunidade linguística por meio de sua história, o objetivo do projeto é analisar os vocábulos relacionados a religião e crenças, buscando motivações que justifiquem o uso das designações, sendo possível não apenas estudar aspectos culturais da comunidade, como também realizar estudos comparativos com outras pesquisas de mesma natureza já realizadas.

“A área semântica é muito rica na questão de tabus linguísticos, no que diz respeito a religião e crenças. Está cristalizado na nossa cultura que palavras, nomes dos seres, entidades ou coisas carregam a energia a elas referentes. Por isso, muitas vezes, nos utilizamos de sinônimos, eufemismos etc. Assim, o estudo visa catalogar as expressões usadas de modo a conhecer o léxico da região”, explicou Danyele.

Ensino – Parte dos projetos aprovados pelo IFMS se destina ao desenvolvimento de pesquisas voltadas ao ensino em disciplinas como Física, Língua Portuguesa, Matemática e Química. É o caso da proposta “Impacto das aulas práticas e teóricas sobre a aprendizagem na disciplina de Química no ensino médio técnico integrado”.

Coordenado pelo docente de Química do Campus Corumbá, Everton Policarpi, o projeto visa à realização de um estudo comparativo sobre a aprendizagem dos estudantes da disciplina nas aulas práticas, feitas em laboratório, e teóricas, em sala de aula.

Envolvendo todas as turmas da disciplina, a proposta prevê o levantamento e leitura das principais publicações que abordam o tema de metodologias para o ensino de Química e aplicação de questionários junto aos estudantes.

“Queremos avaliar se o estudante tem maior aprendizado na aula prática ou na teórica. Nas atividades práticas, na maioria das vezes temos maior participação dos estudantes, mas nem sempre as informações estão dispostas de maneira tão clara quanto estão nas aulas teóricas”, destacou Policarpi.

Dessa forma, serão aplicados os mesmos conteúdos de diferentes formas nas turmas participantes. “As evidências ajudarão a comprovar se as aulas experimentais realmente melhoram a aprendizagem dos estudantes, o que justificaria os investimentos para construção, montagem, adequação e manutenção de laboratórios de Química em unidades de educação que ofertam o ensino médio no Estado”, finalizou.

Iniciação Científica - O IFMS também abre anualmente seleção de propostas para iniciação científica. Para o ciclo 2018-2019 um total de R$ 330,2 mil é destinado ao desenvolvimento de projetos de pesquisa e pagamento de bolsas a estudantes dos níveis médio e superior. A submissão pode ser feita até esta segunda-feira, 7.

A oferta é via Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica do IFMS (Pitec), responsável por viabilizar o pagamento de bolsas de iniciação científica institucionais, provenientes do orçamento da Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação (Propi), fomentando o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic).

O processo seletivo também abre a possibilidade dos projetos de pesquisa serem contemplados com bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Cb image default

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.