Buscar

Prefeitura de Nova Andradina prepara novo mutirão contra dengue

Secretário destacou papel da população no combate ao mosquito; município não registrou nenhum caso em 2014

A Prefeitura de Nova Andradina, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), irá intensificar a partir da próxima segunda-feira (17) os mutirões de combate à dengue. As ações correspondem à determinação do prefeito Roberto Hashioka e deverão começar no Bairro Vila Operária. 

"A dengue é uma doença de ciclo. Graças a Deus, com todos os controles que nós iniciamos em novembro de 2013 até abril de 2014, que é um ciclo muito grande em que a doença, por conta das chuvas, se desenvolve muito fácil, não tivemos nenhum caso registrado em Nova Andradina", detalhou o secretário Silvio Senhorini.

De acordo com o gestor, a campanha irá envolver diferentes setores da Prefeitura. Senhorini também frisou o papel da população no combate à dengue, eliminando eventuais criadouros do mosquito transmissor da doença. "Basta que todos tirem cinco minutos do seu dia para verificar se há algum lugar com acúmulo de água", explicou.

Prefeitura contratou 40 servidores para reforçar ações de combate à dengue (Foto: Natalho Cuer/PMNA)

Sem nenhum caso registrado em Nova Andradina em 2014, o secretário destacou: "isso é um alerta e a população tem que ficar ainda mais atenta, uma vez que a cada ano nós verificamos que há um ciclo em que a dengue se acomoda e outro em que ela pode aparecer um pouco mais".

Senhorini salientou ainda a atuação das secretarias municipais de Infraestrutura e  Serviços Públicos para as ações da campanha "Cidade Limpa" e o apoio de toda equipe da Secretaria Municipal de Saúde por meio do Centro de Controle de Zoonoses, agentes de endemias entre outros. 

"Contratamos mais 40 servidores que vão nos ajudar a fazer com que, a exemplo de 2014, no próximo ano não tenhamos nenhum caso de dengue registrado. Independente do ciclo do mosquito, vamos estar sempre com esse trabalho de prevenção", complementou Senhorini.

Febre chikungunya

Em relação à febre chikungunya, o secretário afirmou que não há casos registrados no município. "Em todo o Brasil foram verificados três casos, mas eram pessoas que pegaram a doença em outros países e vieram para o nosso País. Contudo, há uma preocupação muito grande. Estamos atentos e participando de reuniões para debater planos de ação para o Estado", completou.  

A febre chikungunya é uma doença viral parecida com a dengue, transmitida por um mosquito comum em algumas regiões da África. Nos últimos anos, inúmeros casos da doença foram registrados em países da Ásia e da Europa. Recentemente, o vírus CHIKV foi identificado em ilhas do Caribe e na Guiana Francesa, país latino-americano que faz fronteira com o estado do Amapá.

Sintomas

Embora os vírus da febre chikungunya e os da dengue tenham características distintas, os sintomas das duas doenças são semelhantes.

Na fase aguda da chikungunya, a febre é alta, aparece de repente e vem acompanhada de dor de cabeça, mialgia (dor muscular), exantema (erupção na pele), conjuntivite e dor nas articulações (poliartrite). Esse é o sintoma mais característico da enfermidade: dor forte nas articulações, tão forte que chega a impedir os movimentos e pode perdurar por meses depois que a febre vai embora.

Ao contrário do que acontece com a dengue (que provoca dor no corpo todo), não existe uma forma hemorrágica da doença e é raro surgirem complicações graves, embora a artrite possa continuar ativa por muito tempo.

Diagnóstico

O diagnóstico depende de uma avaliação clínica cuidadosa e do resultado de alguns exames laboratoriais. As amostras de sangue para análise devem ser enviadas para os laboratórios de referência nacional.

Casos suspeitos de infecção pelo CHIKV devem ser notificados em até 24 horas para os órgãos oficiais dos serviços de saúde.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.