Buscar

Secretaria de Saúde divulga alerta para vacinação contra sarampo e poliomielite

MS entra em alerta depois de caso de poliomielite confirmado na Venezuela. Coordenação Municipal de Imunização alerta para risco da introdução dessas doenças em Nova Andradina

Cb image default
Nova Andradina não consegue atingir a meta de vacinação desde 2016 - Foto: Divulgação

Esta semana, o Ministério da Saúde divulgou um alerta onde muitos municípios do Brasil estão com cobertura vacinal abaixo de 50% para a Poliomielite (mais conhecida de paralisia infantil) e Sarampo. Nova Andradina é um retrato dessa realidade. Dados apontam que o município não consegue atingir a meta de 95% de cobertura vacinal desde 2016.

Diante da situação, a Coordenação Municipal de Imunização alerta para o risco da introdução dessas doenças consideradas erradicadas no País. Para o secretário municipal de saúde, Norberto Fabri, “temos que ter em mente que a vacinação é a única forma de prevenção da poliomielite e de outras doenças que não circulam mais no país. Todas as crianças menores de cinco anos de idade devem ser vacinadas, conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual”, alerta o gestor.

Por que a vacinação é fundamental

Com a erradicação da Pólio e do Sarampo, criou-se a sensação de que estamos em um ambiente de segurança. Ficamos com a “falsa” sensação de que não é mais necessário a vacinação.

Porém, segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a poliomielite é considerada endêmica no Paquistão, na Nigéria e no Afeganistão. Já os casos de sarampo são mais comuns, com registros na Europa e nas Américas. Há alguns meses, uma criança indígena de 2 anos foi detectada com a pólio na Venezuela, país que faz fronteira com o Brasil. O vírus não era notificado na América do Sul em quase 30 anos.

No Brasil, o Ministério da Saúde tem registros de contaminação de pólio e sarampo em Roraima, Amazonas, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Quem não for imunizado pode se contaminar em outro país ou ser contaminado por alguém que venha visitar o Brasil e reintroduzir o vírus. É fundamental a continuidade da vacinação para evitar a reintrodução do vírus da poliomielite no país.

Cb image default

Calendário de vacinação

O Ministério da Saúde ainda reforça que que as vacinas ofertadas pelo SUS estão disponíveis durante todo o ano, exceto a da gripe. Uma oportunidade de atualizar caderneta será na próxima Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo, que acontecerá no período de 6 a 31 de agosto de 2018.

Como são as doenças?

Poliomielite

Também chamada de "paralisia infantil", a doença infectocontagiosa é transmitida por um vírus e caracterizada por um quadro de paralisia flácida.

O início é repentino e a evolução do déficit motor ocorre, em média, em até três dias. A doença acomete, em geral, os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principal característica a flacidez muscular.

Para evitar contaminação, a primeira dose da vacina deve ser aplicada na criança aos 2 meses de vida. A segunda, aos 4 meses; a terceira, aos 6 meses; e a quarta dose (chamada de reforço) com 1 ano e 3 meses.

Sarampo

Doença infecciosa aguda, transmitida por vírus, de caráter grave e "extremamente contagiosa", o sarampo é transmitido pelo ar e por contato físico.

A presença do vírus no sangue provoca uma "vasculite generalizada" – inflamação dos vasos sanguíneos –, além de tosse, coriza, olhos inflamados, dor de garganta, febre e irritação na pele com manchas vermelhas

A vacinação é a única maneira de prevenir a doença. A recomendação é que as crianças sejam imunizadas aos 12 meses e, depois, tomem uma segunda dose com 1 ano e 3 meses.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.