Buscar

Sem chuva há quase 50 dias, produtores rurais amargam prejuízos com incidência de queimadas

Pecuarista teve um prejuízo de cerca de R$ 50 mil após incêndio atingir 32 alqueires na propriedade

Enfrentando uma das piores estiagens dos últimos anos, produtores rurais de Nova Andradina e região passaram a amargar prejuízos com a incidência de queimadas comum nesta época do ano. Sem chuva há exatos 49 dias, o pasto seco dá lugar a um cenário de destruição provocado pela desenfreada força do fogo.

Olavo Michelini, produtor rural há mais de 20 anos, sentiu na pele os efeitos da estiagem que insiste em castigar. Nos últimos dias, um incêndio devastou uma área de 32 alqueires na propriedade localizada às margens da MS-276 entre Batayporã e Anaurilândia.

Quem passa pelo local se surpreende com a devastação na propriedade. Árvores de vários metros de altura chegaram a ser atingidas pelas chamas. Ouvido pelo Nova News, o pecuarista detalhou que as perdas chegaram a um montante de R$ 50 mil com os danos causados pelo incêndio. “Precisei vender 40 cabeças de gado antes da hora devido à falta de pasto por não ter onde deixar os animais”, afirma o produtor de Batayporã.

Cb image default
Quem passa pelo local se surpreende com o cenário de devastação na propriedade - Foto: Márcio Rogério/Nova News

Explicando como o incêndio ocorreu, Michelini disse que o fogo começou do outro lado da rodovia em uma propriedade que o capim colonião estava a uma altura de cerca de três metros. “É revoltante o descaso de alguém deixar o mato crescer a esse ponto. Para evitar incêndio, sempre procuro manter a minha área limpa, mas o mesmo não acontece com todos”, relata. Cheguei várias vezes a pedir para que o vizinho limpasse e ele respondeu que roçar mato às margens da rodovia é um dever do Estado, além de alegar que ficaria caro o serviço em que eu não gastei mais que 50 litros de diesel”, lamenta.

Na última semana de julho, queimadas atingiram canaviais na região. Em Nova Andradina, uma fazenda perdeu 63 hectares de cana-de-açúcar e 12 hectares de palha. Já em outra em Batayporã a área atingida foi de 65 hectares.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.