Buscar

Sindicato da Enfermagem de MS fará assembleia em frente ao HR de Nova Andradina

Impasse: Direção do Hospital Regional afirma que o local não é adequado para realização do evento

Nesta sexta-feira (07), os profissionais de enfermagem do Hospital Regional (HR) Francisco Dantas Maniçoba, em Nova Andradina, participam, às 13h, de Assembleia Geral em frente ao prédio do hospital. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul (Siems), desde a fundação, em 2011, a entidade hospitalar não vem cumprindo com o instrumento normativo do Estado que prevê reajuste salarial e cláusulas sociais aos trabalhadores.

"Conforme a última visita, identificamos a sobrecarga de trabalho na área de enfermagem. Há necessidade de novas contratações para atender a demanda do hospital que, além de Nova Andradina, também atende os municípios de Batayporã, Anaurilandia, Taquarussu, Ivinhema, Novo Horizonte do Sul e Angélica", explica o presidente do Siems, Lazaro Santana.

Imagem: Arquivo

Por outro lado

Em contato com a direção do Hospital Regional, o Nova News recebeu a informação de que a realização da assembleia na unidade tem gerado certo impasse entre as partes. Segundo o diretor Tito José, o HR não dispõe de espaço para realização de assembleias e a aglomeração de pessoas dentro, ou em frente ao hospital, pode afetar o atendimento dos pacientes.

“Já oferecemos ao Sindicato da Enfermagem o plenário da Câmara Municipal e o Auditório da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec), mas, infelizmente, eles insistem em realizar a assembleia aqui, o que pode afetar os atendimentos. Se isso ocorrer, iremos tomar as devidas providências junto às autoridades competentes no sentido de garantir o atendimento normal de todos os nossos pacientes. Hospital é lugar de atendimento e não palco para reuniões”, rebateu Tito.

Leia também
  • HR de Nova Andradina será ocupado pelo Estado, diz Azambuja

Com relação à pauta de reivindicações da classe, a direção do HR disse que, realmente este é o legítimo papel do sindicato e que a entidade está aberta a negociações. “Se o presidente do Siems, ou seus representantes, vierem aqui, eles serão recebidos e bem atendidos, o que não podemos é aceitar que uma assembleia com cerca de 70 pessoas seja realizada em um local onde deve prevalecer o silencio e a organização”, finalizou Tito José.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.