Publicado em 13/05/2019 às 09:02, Atualizado em 13/05/2019 às 13:07

Técnica de hidroponia gera oportunidade de aprendizado e ocupação produtiva no presídio de Nova Andradina

Plantio foi iniciado no final do último mês

Agepen,

Imagem: Agepen

Cb image default

Uma horta hidropônica foi instalada no Estabelecimento Penal Masculino de Nova Andradina (EPMNA) com o objetivo de gerar qualificação profissional de custodiados na área, além de proporcionar ocupação produtiva e a possibilidade da unidade contribuir com instituições sociais da cidade.

O projeto foi idealizado pelo diretor do presídio, Edir Rubens Queiroz Campos, com o foco na capacitação dos internos na área agrícola, conhecimento que pode representar geração de renda quando conquistarem a liberdade.

O plantio foi iniciado no final do último mês e conta com o trabalho de quatro reeducandos que, pelo serviço, recebem remição de um dia na pena a cada três trabalhados, conforme estabelece a Lei de Execução Penal (LEP). Os internos participaram também do processo de estruturação dos espaços. Na unidade, também existe o método tradicional de cultivo na terra.

A horta hidropônica conta com 12 canteiros distribuídos em um sistema feito à base de canos de PVC. No local já foram plantados alface, rúcula e almeirão. A intenção é que o plantio atenda o consumo local e o excedente seja doado a creches e à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae).

No sistema hidropônico, as hortaliças são imersas numa solução de água contendo os micro e macro nutrientes necessários para o desenvolvimento da planta, livre dos problemas climáticos externos (chuvas, ventos e insolação), de forma a acelerar o crescimento das plantas, com aumento de produtividade e uniformidade na produção, se comparado ao cultivo tradicional.

A ação faz parte da política de ações da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) para a ressocialização de detentos e a redução nos índices de reincidência criminal. Além da unidade de Nova Andradina, a hidroponia também é desenvolvida na Penitenciária de Três Lagoas desde 2014.

Imagem: Arquivo / Nova News

Cb image default