Buscar

Exportações de carne bovina crescem 25% em fevereiro

As exportações de carne bovina in natura e processada do Brasil entraram em forte ritmo de crescimento em fevereiro e renderam US$ 477,2 milhões naquele mês, com a movimentação de 123.129 toneladas, segundo informações da Secex do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), compiladas pela Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO).

Em relação a fevereiro de 2015, quando foi obtida uma receita de US$ 430,2 milhões com exportações de 98.149 toneladas, o crescimento foi de 25% na quantidade e de 11% na receita.

No acumulado janeiro/fevereiro, as exportações somam 220.472 toneladas e a receita US$ 844,4 milhões, com crescimento de 13% na quantidade e queda de 1% na obtenção de divisas.

" Sem dúvida, é uma retomada da movimentação acima de 100 mil toneladas mensais que registramos em 2014 e que poderá crescer ainda mais com a as importações de novos mercados como os Estados Unidos e de outros que voltaram a adquirir a carne brasileira como a Arábia Saudita", disse o Presidente Executivo da ABRAFRIGO, Péricles Salazar.

Segundo ele, a China foi a maior responsável pela elevação na movimentação do produto brasileiro, com a aquisição de 74.037 toneladas, o que correspondeu a 33,6% das vendas do país em jan/fev, através de Hong Kong e da importação direta. Em 2015, nos dois primeiros meses do ano, as compras chinesas somaram somente 55.475 toneladas, através de Hong Kong.

Entre os 20 maiores clientes da carne bovina brasileira também apresentaram crescimento significativo nas importações do bimestre a Rússia (13,2% com 24 mil toneladas); Chile (56,1% com 11.753 toneladas); Irã (80,8% e 11.898 toneladas); Alemanha (42,9% e 1.663 toneladas), Reino Unido 17% e 4.807 toneladas) e Filipinas 14,4% e 2.717 toneladas).

Entre os países que apresentaram quedas significativas nas importações a Venezuela foi a que apresentou maior impacto, com redução de 55,3%, de 13.301 em jan/fev 2015 para 5.951 em 2016 por problemas na sua economia devido à queda nos preços internacionais do petróleo. Pelos dados da ABRAFRIGO, 60 países apresentaram variação positiva nas suas compras de carne bovina brasileira enquanto que outros 55 reduziram suas aquisições.

Por regiões, o Extremo Oriente foi quem mais comprou o produto brasileiro, com 34,2% do total. A África ficou com 20,7%, o Leste Europeu com 11,1%, o Oriente Médio com 10,8%. Europa Ocidental e América do Sul ficaram com 8,7%.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.