Buscar

Acidentes com fogos de artifício aumentam durante festas juninas

No período das festas populares, como os meses de junho e julho, os acidentes com fogos de artifício são frequentes.

Para conscientizar a população sobre os riscos de se manusear inadequadamente artefatos explosivos, o Ministério da Saúde apoia as ações de alerta preparadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e Sociedades Brasileiras de Cirurgia da Mão (SBCM) e de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) voltadas para orientar sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar graves sequelas em época de festa juninas e comemorações relacionadas aos jogos da Copa do Mundo.

"O uso de forma errada dos fogos de artifício pode causar acidentes graves, como queimaduras, amputações, perda da visão e lesões auditivas.

É importante que a população tenha consciência sobre os riscos e tome todo o cuidado nesse período", alertou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

Entre 2007 e 2017, foram registrados, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), 5.620 internações e 1.612 atendimentos ambulatoriais em decorrência de acidentes provocados por queima de fogos de artifício. No mesmo período, a pasta registrou 96 mortes em todo o Brasil.

Ao longo desses dez anos, 2014 foi o que registrou maior de número de acidentes, foram 620 internações, contra uma média de 500 nos demais anos.

Em casos de acidente, é recomendado lavar o ferimento com água corrente, não tocar na área queimada, não cobrir o ferimento e não usar nenhum tipo de substância sobre a lesão, como manteiga, creme dental, clara de ovo e pomadas.

Logo após, procure imediatamente o serviço de saúde mais próximo para o adequado atendimento médico.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.