Buscar

Assentada de Anaurilândia fica motivada a aplicar técnicas apresentadas durante Giro Tecnológico

Analzira Braga de Souza é uma das muitas agricultoras familiares que deixou seus afazeres na ultima sexta-feira para participar de uma feira que aconteceu em Glória de Dourados, no ultimo final de semana, e conferir as novidades para o setor. 

 

Assentada de Anaurilândia há oito anos no Assentamento PA Barreiro, Analzira que se orgulha de ter estruturado a propriedade praticamente sozinha, que vive desde então da renda obtida com o leite produzido por suas nove vacas, e os negócios que fez ao longo dos anos comprando e vendendo animais se disse entusiasmada com o que viu no giro tecnológico que participou, durante a programação da feira.

Na oportunidade foram apresentados aos participantes os resultados obtidos com a aplicação de tecnologias introduzidas pela Embrapa e pela Agraer na propriedade de Antônio Viana, que em quinze hectares, trabalha com sessenta vacas produzindo de 16 a 17 litros de leite, por vaca, utilizando suplementação, com duas ordenhas diárias.

Analzira se orgulha de ter estruturado a propriedade praticamente sozinha e disse que vive da renda obtida com o leite produzido por nove vacas (Imagem: Sepaf/Iagro)

Atenta ao depoimento de Antônio e as explicações dos técnicos responsáveis pelo projeto, André Luiz Barros, Marcos Darlan e João Carlos Stefanello da Agraer, e Claudio Lazarotto, Luiz Antônio Aoki, Marcia Retore e Tarcilla Souza da Embrapa, a agricultora Analzira, assim como os outros participantes, ouviram sobre o inicio do trabalho de Antônio com dez matrizes, sua experiência com a inseminação artificial, técnica aplicada na propriedade desde que ele mesmo fez o curso em 1996, o trabalho de assistência dos profissionais das instituições, até os experimentos feitos com o cruzamento das vacas da raça holandesa com jersey, que devem apresentar os primeiros resultados no inicio do próximo ano.

Assim como os outros visitantes, o que surpreendeu Analzira foi a maquina que, acoplada a um trator, faz o trabalho de cortador e triturador e que em minutos disponibiliza a matéria prima para preparação da silagem, e o manejo diferenciado, que propõe que a alimentação das vacas seja feita nos cochos, no período noturno. A explicação, do pesquisador Claudio Lazarotto é que como as vacas não precisam ir longe para buscar o alimento gastam menos energia, podendo produzir mais leite.

Mesmo lembrando que possui apenas uma parte dos equipamentos que precisaria para implementar algumas das inovações que viu durante o giro nos seus doze hectares, Analzira se disse satisfeita, e motivada a buscar formas de introduzir algumas das novidades que aprendeu sobre o manejo em sua propriedade. “Procuro participar de todo curso e palestra que posso. Achei muito interessante a forma como foi apresentada as novidades, direto no campo. É muito importante ter uma feira feita especialmente para pessoas como eu, que precisam de orientações para produzir mais em pouca terra”, observou.

Técnicas de manejo sugeridas pela Embrapa e Agraer, e que resultaram em aumento significativo na produção leiteira, surpreendem participantes e marcam décima edição da feira da Agricultura Familiar (Imagem: Sepaf / Iagro)

Mesmo preocupada com a ordenha que deixou para que outra pessoa fizesse em sua propriedade, Analzira – que é viúva e acorda todos os dias às 4 horas para cuidar da propriedade sozinha – saiu da feira contente com o que teve oportunidade de conferir e motivada a aplicar novas tecnologias para fazer sua propriedade render além dos 20 litros por dia. Assídua usuária dos recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, o Pronaf – o qual orgulha-se em contar que está utilizando pela terceira vez sem nunca deixar de honrar com as prestações – a agricultora se disse motivada a planejar a compra de novos equipamentos para breve.

Contando com apoio do Governo do Estado a Federação da Agricultura Familiar FAF/MS, junto com outros importantes parceiros, proporcionaram aos participantes da 10ª edição da feira estadual de produtos da Agricultura familiar, além do giro tecnológico, oficinas, palestras e seminários sobre caldas e biofertilizantes, plantas medicinais e hortaliças, fabricação caseira de derivados do Leite, cooperativismo e Associativismo, cultivo de orquídeas, discussão sobre politicas publicas do setor, e entretenimento através de rodeio de touros e shows sertanejos, durante os três dias da programação.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.