Publicado em 05/04/2016 às 10:24, Atualizado em 26/04/2017 às 16:02

Estudante é estuprada no campus e alunos fazem manifesto

A denúncia chegou ao DouradosAgora, em nota assinada pelo Corpo Acadêmico composto por integrantes de ambas universidades e de pais de alunos. Segundo eles, a violência sexual aconteceu atrás da bibli

, DouradosAgora

Uma estudante foi vítima de estupro na manhã de ontem, no campus universitário de Dourados, onde funcionam a UFGD e UEMS. A denúncia chegou ao DouradosAgora através de pais de alunos e em nota assinada pelo Corpo Acadêmico composto por integrantes de ambas universidades.

Segundo eles, a violência sexual aconteceu nas imediações da biblioteca da cidade universitária. O nome da vítima não foi divulgado. Perícia e polícia estiveram no local, ontem. Um suspeito teria sido detido.

O Corpo Acadêmico se junta numa manifestação em frente a biblioteca, contra a falta de segurança no local frequentado por milhares de estudantes de toda região. Durante o ato público, serão entregues cartas exigindo posicionamento e esclarecimento dos fatos por parte de ambas Universidades.

Os estudantes pedem inclusão de trabalhadores terceirizados em capacitação para o trabalho no meio universitário. A entidade defende liberdade de expressão, de ir e vir, e respeito à cultura local. Também reivindicam apoio psicológico para vítimas, em caso de possíveis ocorrências no Campus já que o local está implantada em área de grande porte e, especialmente à noite, o riscos aumentam.

"Nada justifica as violências, no entanto devemos cuidar da prevenção das mesmas visto que estamos inseridos/as em uma sociedade que normatiza a cultura do estupro", dizem os acadêmicos em nota enviada à imprensa.

O Corpo Acadêmico cobra, também, posicionamento das direções de ambas universidades e implementação de políticas efetivas para os governos dos campi em Dourados.

Uma mãe de aluno, que ligou ao DouradosAgora e pediu atenção ao caso já que as famílias estão sobressaltadas, disse que antigamente no campus contava com homens motorizados para fazer segurança no local e cobra providências para que se evite futuras ocorrências a exemplo do que já aconteceu, em diferentes oportunidades, em outros campi ao redor do país, inclusive em Campo Grande (UFMS).

"Após o fato ocorrido e nervos à flor da pele, cautela deve ser uma das palavras chave para lidarmos com o ocorrido. Não passividade diante do caso, mas sim ações pensadas analisando as consequências e impacto na vida da vítima, pensando em sua permanência na Universidade. Assim para que não haja uma onda de raiva e revolta descontrolada... devemos buscar a união das Universidades assim como pensar os atos em conjunto", diz a entidade estudantil, em nota remetida ao DouradosAgora.