Buscar

Governo investe R$ 1 bilhão na área de transplante de órgãos

Para garantir o atendimento adequado e aumentar a possibilidade de salvar vidas, o Governo do Brasil investiu, em 2017, mais de R$ 1 bilhão na área de transplantes.

Os recursos mais que dobraram desde 2008, quando foram aplicados R$ 453,3 milhões – um montante que permite capacitar equipes, estruturar todo o serviço e reduzir a lista de espera e a taxa de recusa familiar.

Dados da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) mostram que, no ano passado, a taxa de doadores efetivos cresceu 14% e que o Sistema Único de Saúde (SUS) registrou mais de 26,2 mil transplantes.

Em 2016, um ano antes, foram aproximadamente 25 mil. Os números revelam ainda que a evolução é contínua e, apenas até abril de 2018, foram mais de 8,1 mil transplantes de órgãos realizados. Os órgãos mais demandados foram coração, fígado, pâncreas e pulmão.

Otimismo

Os relatórios da ABTO expressam ainda um "otimismo" que há muito os números não mostravam. Desde 2011, a taxa de doadores efetivos oscilava, com momentos constantes de alerta.

Neste ano, tivemos uma retomada do crescimento da doação, da efetivação da doação e da maioria dos transplantes de órgãos", informou a associação no Registro Brasileiro de Transplantes do último trimestre de 2017.

Apesar dos avanços, o trabalho está longe de terminar. No fim do ano passado, mais de 32,4 mil pacientes adultos estavam na fila de espera por um órgão, além de outras mil crianças que também aguardam um transplante.

A grande maioria deles (30 mil adultos e 785 crianças) aguardavam rins ou córnea. Porém, diante das evoluções na legislação e nos investimentos dos últimos anos, a expectativa da entidade é alcançar, em 2018, 18 doadores por milhão de pessoas.

No ano passado, esse indicador ficou em 16,6, índice recorde para o Brasil.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.