Buscar

Juíza Jacqueline Machado recebe prêmio Espírito Público

Magistrada atuou na Comarca de Nova Andradina entre 2005 e 2016

Imagem: Reprodução / TJ-MS

Cb image default

Foi realizada na noite de segunda-feira (28), em São Paulo, a cerimônia de entrega do prêmio Espírito Público, em que a juíza Jacqueline Machado, que responde pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar de MS, foi uma das três vencedoras na categoria Segurança Pública. A magistrada atuou anteriormente na Comarca de Nova Andradina.

Criada em 2018, esta é a maior premiação de reconhecimento de trajetórias no setor público brasileiro por revelar a importância dos profissionais que se dedicam ao setor e suas histórias. Na edição 2019, foram conhecidas 1.049 trajetórias de profissionais que se dedicam ao serviço público no Brasil e, dentre todas, 18 foram escolhidas para receber a honraria.

O Prêmio Espírito Público é uma iniciativa coletiva de diversas instituições, correalizado pelo Instituto República e pela Agenda Brasil do Futuro, organizações sem fins lucrativos que têm entre seus objetivos o apoio e o reconhecimento de profissionais públicos.

Dentre as diversas ações idealizadas pela juíza sul-mato-grossense, destaca-se o programa Mãos EmPENHAdas Contra a Violência, desenvolvido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, e já replicado em diversas cidades, como São Paulo, Rio de Janeiro, Londrina (PR), Santarém (PA) e Teresina (PI).

O programa começou quando a juíza de MS percebeu que espontaneamente as mulheres falavam da violência sofrida durante tratamentos em salões de beleza. Assim, o Mãos EmPENHAdas Contra a Violência visa capacitar profissionais da área de beleza para orientar as clientes sobre seus direitos previstos em lei.

A juíza

Natural de Passo Fundo (RS), Jacqueline Machado ingressou na magistratura em março de 2001. Em agosto do mesmo ano foi promovida para a comarca de Rio Negro e, em junho de 2006, outra promoção a levou para a comarca de Camapuã.

Por permuta, em 2005 passou a judicar em Nova Andradina e, em fevereiro de 2016, foi promovida para atuar em Campo Grande, comarca de entrância especial. Um mês depois, também por permuta, passou a titularizar a Vara de Medidas Protetivas e atualmente responde pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar de MS. (Com informações do TJ-MS e do portal da Associação dos Magistrados de MS).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.