Buscar

Justiça bloqueia quase R$ 30 milhões de Lula e Okamotto

Advogados do petista e do presidente do Instituto Lula alegam que eles não possuem bens no valor apontado pelo bloqueio

Imagem: Leonardo Benassatto / Reuters

Cb image default

Para garantir o pagamento de dívida fiscal de quase R$ 30 milhões com a União, a 1ª Vara de Execuções Fiscais de São Paulo decretou a indisponibilidade de bens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Também foram declarados indisponíveis os bens de Paulo Okamotto, do Instituto Lula e da L.I.L.S., empresa de palestras do petista, em processo que corre em segredo de justiça.

A dívida de Lula, do Instituto e da empresa de eventos seria de R$ 15,3 milhões. Já Paulo Okamotto, que é presidente do Instituto Lula, teria débito de R$ 13,9 milhões. Os envolvidos alegam que a medida é uma forma de dificultar a possibilidade de defesa do ex-presidente, que não teria posse dos valores bloqueados.

Defesa

"A medida é mais um ataque de lawfare, a guerra jurídica contra Lula com fins políticos, para sufocar as atividades do Instituto Lula e dificultar o direito do ex-presidente Lula de se defender. Estamos recorrendo tanto do mérito, porque os impostos foram pagos, quando do bloqueio de bens. Nem o Instituto, nem Lula, nem Paulo Okamotto têm os valores bloqueados", declarou, por meio de nota, o Instituto Lula.

A defesa do ex-presidente também se manifestou sobre o caso. "Além de impor uma condenação sem base legal a Lula e privá-lo de sua liberdade em manifesta afronta à presunção de inocência assegurada na Constituição Federal, a Lava Jato quer retirar do ex-presidente qualquer possibilidade de defesa ao privá-lo de seus bens e recursos para garantir um débito tributário que ainda está sendo discutido na esfera administrativa e que não tem qualquer relação com os valores reais doados ao Instituto Lula. O ex-presidente não tem os valores indicados no documento e a decisão de bloqueio foi impugnada por recurso, que aguarda julgamento no Tribunal Regional Federal da 3ª Região". (Com informações do Estadão Conteúdo).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.