Buscar

Ministro assina planos de outorga de radiodifusão comunitária e educativa

O ministro das Comunicações, André Figueiredo, assinou nesta quarta-feira (20) três planos nacionais de outorga – dois para radiodifusão comunitária e um para educativa. Na cerimônia, ele disse que todos os municípios brasileiros terão radiodifusão comunitária a partir da conclusão dos planos para o setor assinados nesta quarta-feira.

“Agora vamos poder universalizar a radiodifusão comunitária e, ao mesmo tempo, ampliar para comunidades tradicionais. Ribeirinhos, quilombolas, indígenas, assentados, vão ter agora direito a uma emissora que possa potencializar sua voz e fazer seus anseios e inquietudes serem melhor divulgadas. Todas essas ações visam potencializar uma mídia mais democrática”, afirmou o ministro.

Dos dois planos para radiodifusão comunitária, o primeiro contém dois editais que incluirão povos e comunidades tradicionais, somando 123 municípios de todos os estados e do Distrito Federal. O segundo será dividido em 14 editais, que atingirão todos os 1.264 municípios do Brasil que não dispõem de nenhuma rádio comunitária. Os anúncios serão lançados entre maio de 2017 e julho de 2019.

O plano de radiodifusão com finalidade exclusivamente educativa é composto de 761 municípios que deverão ser objeto de 879 editais – há casos de municípios para os quais há demanda de emissoras de FM e de TV. A primeira fase será de agosto a maio de 2017 e contemplará 237 localidades, sendo 235 para FM e duas para TV.

O Plano Nacional de Outorgas é um documento que apresenta à sociedade as localidades que serão contempladas com a oferta de novas outorgas em cada um dos serviços de radiodifusão. O documento tem um cronograma específico com a previsão dos editais.

Impeachment

Em discurso durante a cerimônia, ministro das Comunicações falou sobre a votação da admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, domingo (17) na Câmara dos Deputados. André Figueiredo, que é deputado federal licenciado e filiado ao PDT, partido da base de apoio da presidenta Dilma, classificou de “palhaçada” a votação no plenário da Câmara.

“Estou doido para voltar para o Parlamento, não porque esteja insatisfeito aqui, mas para me confrontar com a palhaçada que vimos no último domingo. [Palhaçada] não em relação ao resultado – faz parte quando há um grande conluio, mas, infelizmente, colegas parlamentares não poderiam fazer do nosso plenário da Câmara um picadeiro”, afirmou Figueiredo.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.