Buscar

Morador do interior de SP, que comprou caminhão do Frigorífico Independência em 2009, sofre com transtornos

Após a compra veículo foi penhorado e homem busca solução para o impasse

Cb image default
Frigorífico Independência atuou em Nova Andradina até 2009, quando fechou as portas. Em 2012, suas instalações foram adquiridas pelo JBS - Imagem: Arquivo / Nova News

Na manhã desta quinta-feira (10), Alex dos Santos Borges, residente na cidade de Santo Anastácio, interior do estado de São Paulo, entrou em contato com o Nova News para compartilhar os transtornos que vem sofrendo após adquirir, em 2009, um caminhão pertencente ao extinto Frigorífico Independência, que atuava em Nova Andradina e que fechou as portas naquele mesmo ano.

O homem disse que, na época, ao saber que o frigorífico venderia o caminhão, um VW 18310, ano 2003, modelo 2004, fez um financiamento no valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais) para adquirir o bem. Segundo ele, o financiamento foi aprovado e o caminhão foi transferido para seu nome sem nenhum problema, porém, mais tarde, em 2011, supostamente devido a pendências do Frigorífico Independência com a Justiça, foi efetuada a penhora do veículo. Alex revela que desde então, tem sofrido enormes transtornos.

“Eu comprei o caminhão de boa fé. Fiz o financiamento, fiz a transferência, tudo dentro da lei, e depois foi surpreendido com a penhora. O caminhão continua em meu poder, mas a maioria das empresas transportadoras, ao consultar a situação do caminhão, prefere me dispensar e entregar a carga para outro profissional. Já tiveram ocasiões em que tive que descarregar o caminhão e passar a viagem para outro caminhoneiro por ser barrado pela transportadora”, conta ele.

Ainda nas palavras do morador do interior de São Paulo, ele não consegue vender nem transferir o caminhão para outra pessoa. “Não consigo trabalhar e também não consigo trocar de caminhão. A cada dia que passa, o veículo de desvaloriza cada vez mais e não sei o que fazer”, disse o homem ao afirmar que já consultou inúmeros advogados paulistas, mas que, até o momento, não conseguiu uma solução sobre o impasse.

Questionado sobre o Nova News se sabe da existência de outras pessoas que possam ter adquirido bens do Frigorífico Independência e que, porventura, estejam enfrentando problemas parecidos, ele disse não ter conhecimento de casos semelhantes, mas afirmou acreditar que sim. “Penso que eu não devo ser o único nesta situação”. Ele disse que procurará um advogado de Nova Andradina, que tenha conhecimento sobre o processo de recuperação judicial do Independência para buscar orientações.

Independência e as dívidas trabalhistas

No ano de 2015, o Frigorífico Independência foi tema de uma série de reportagens produzidas pelo Nova News devido à inadimplência junto aos seus ex-colaboradores. A empresa, que contava com uma unidade em Nova Andradina, fechou suas portas em 2009 e entrou em processo de recuperação judicial em 2011, deixando centenas de trabalhadores sem as indenizações e certos trabalhistas. Em 2012, a JBS assumiu a planta frigorífica localizada às margens da MS-276, na saída para Ivinhema.

Apenas em 2015, ou seja, sete anos após o fechamento, os ex-funcionários do Independência conseguiram receber parte do valor a que tinham direito (58,23%). Quando o JBS adquiriu os ativos do Frigorífico Independência, ele propôs disponibilizar a quantia de R$ 15 milhões para quitar todas as pendências trabalhistas, no entanto, a dívida com os ex-funcionários girava em torno de R$ 26 milhões.

A negociação foi aprovada em assembleia, porém, como o valor pago pelo JBS era inferior ao montante da dívida trabalhista, a Justiça decidiu ratear esta quantia proporcionalmente entre os credores, chegando, desta forma, ao percentual de 58,23% para cada um. É pouco provável que os ex-funcionários consigam, um dia, receber os outros 41,77% a que teriam direito, uma vez que não haveria outra fonte de recursos para esta finalidade. O processo com relação aos acertos trabalhistas do Frigorífico Independência ainda tramita na Justiça da Comarca de Cajamar (SP). 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.