Buscar

Morte de Prince levanta suspeitas de overdose; assessoria nega

O músico norte-americano Prince morreu na manhã de ontem, aos 57 anos. A autópsia para tentar determinar a causa está marcada para esta sexta-feira. Prince foi encontrado sem vida em seu estúdio de gravação no Minnesota, nos Estados Unidos, às 10h07m (horário local). A informação foi confirmada por Yvette Noel-Schure, assessor do músico. A polícia disse que Prince foi encontrado num elevador e que tentaram ressuscitá-lo, sem sucesso.

Fontes não oficiais disseram que Prince teria sofrido uma overdose há seis dias, segundo o site americano "TMZ". À época, a imprensa noticiou que o cantor de 57 anos havia sido hospitalizado por conta de uma "forte gripe". O assessor do artista negou rumores e reforçou a versão sobre a gripe.

Considerado um dos ícones da música pop das últimas décadas, junto com Michael Jackson e Madonna, Prince Rogers Nelson nasceu 1958, em Minneapolis, Estados Unidos. Ele começou a carreira de cantor no fim dos anos 1970, alcançando maior notoriedade a partir dos anos 1980. Sua música era influenciada pelo funk, soul e rock, mas não se limitava a isso. Uma de suas características era mesclar elementos e dar um acento pop. Prince foi premiado com o Grammy, considerado o Oscar da música, por sete vezes.

Algumas de suas canções mais conhecidas são Kiss, I Wanna Be Your Lover, Why Wanna Treat Me So Bad e Purple Rain. Essa última, inclusive, rendeu um filme de mesmo nome, estrelado por ele e lançado em 1984. O filme lhe rendeu um Oscar de melhor trilha sonora original. A carreira de Prince inclui 39 álbums de estúdio e quatro álbums ao vivo.

Em 1989, aliou sua música a uma das maiores superproduções cinematográficas da época, o filme Batman, dirigido por Tim Burton. Prince gravou a trilha sonora, rendendo uma indicação para o Grammy como melhor performance masculina de vocal pop. Seu talento não se limitava às habilidades como cantor. Prince era multi instrumentista e um exímio guitarrista. A revista Rolling Stone, especializada em música, o elencou como o 33º guitarrista de todos os tempos. Prince também trabalhava muito sua imagem, com um visual andrógino e, ao mesmo tempo, viril.

Entre 1993 e 2000, ele deixou de usar seu nome e passou a se identificar por um símbolo, que aliava os gêneros masculino e feminino. Nesse período, se autointitulou "O Artista", e não mais Prince. Essa decisão foi tomada por uma questão judicial, uma vez que sua gravadora na época, a Warner, que detinha os direitos sobre seu trabalho.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.