Buscar

Orçamento dos Tribunais Federais para 2018 é de R$ 47,6 bilhões

Os órgãos do Poder Judiciário que integram a União contam neste ano com um orçamento de R$ 47,6 bilhões, maior que os R$ 45 bilhões em 2017, mas dentro dos limites de gastos determinados pela Emenda Constitucional 95.

Sob esse novo regime fiscal que impôs maior contenção na gestão das contas públicas, o orçamento do Poder Judiciário, e o dos demais poderes da União, foram reajustados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido entre julho de 2016 e junho de 2017, sem espaço para aumento maior das verbas.

A composição do orçamento mostra o peso da despesa com pessoal. Do total, R$ 36,6 bilhões são destinados ao pagamento de funcionários, sendo o restante, R$ 11 bilhões, para as demais despesas.

Esses são os recursos disponíveis para os tribunais da Justiça do Trabalho, da Justiça Eleitoral e da Justiça Federal, além do Superior Tribunal de Justiça (STJ), do Superior Tribunal Militar (STM), do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O novo critério, de reajuste da despesa primária pela inflação, traz para o setor público uma realidade de austeridade considerando que o gasto passa a ter um limite.

Para os tribunais, essa contenção tende a se tornar maior a partir de 2020, quando chega ao fim a permissão dada pela Emenda Constitucional 95 de compensação de limite pelo Poder Executivo ao Poder Judiciário, que viabilizou o reajuste dos seus servidores. Este ano, esse acréscimo é de R$ 1,7 bilhão.

O impacto do fim dessa compensação recairá sobre os gastos que não são com o pagamento de pessoal. No CNJ, a avaliação é que o Judiciário tem se preparado para essa realidade de ajuste permanente das contas públicas, com vários tribunais renegociando contratos em geral a fim de reduzir custos.

Um dos exemplos das ações em curso é a conclusão de obras e empreendimentos que precisam ser terminados antes de 2020.

Se, por um lado, a Emenda Constitucional 95 fixou um teto para o aumento do gasto impondo restrições nas verbas, por outro, trouxe certa previsibilidade sobre o orçamento dos Poderes.

Como a variação da despesa está vinculada à inflação e a previsão é de uma baixa variação dos preços, a tendência, para os tribunais, é de um orçamento em 2019 similar ao de 2018.

A elaboração do orçamento do Poder Judiciário do próximo ano começa neste semestre a partir das definições contidas no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO), que deverá ser apresentado pelo governo federal até meados de abril.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.