Publicado em 23/07/2019 às 10:39, Atualizado em 23/07/2019 às 21:21

Parque das Várzeas do Rio Ivinhema pode ser transferido para a iniciativa privada

Outras cinco unidades de conservação em MS também podem ser privatizadas

Acácio Gomes, Redação Nova News

Imagens: Arquivo / Imasul

Cb image default

Após o Ministério do Meio Ambiente anunciar, em fevereiro deste ano, a concessão de parques nacionais à iniciativa privada, o Governo do Estado prepara medida semelhante para concessionar também as unidades de conservação estaduais, entre elas, o Parque das Várzeas do Rio Ivinhema (fotos).

Ao longo deste segundo semestre, será realizada revisão dos planos de manejo das unidades de conservação estaduais, de forma a permitir que os locais também possam ter uso público e turístico. A expectativa é que o edital de concessão seja lançado somente em 2020.

Foi apurado que, além do Parque das Várzeas do Rio Ivinhema, também estariam na mesma situação outras cinco unidades de conservação, que são, o Parque do Prosa (Campo Grande); o Parque do Segredo (Campo Grande); o Parque das Nascentes do Rio Taquari (Costa Rica e Alcinópolis); o Parque do Pantanal do Rio Negro (Aquidauana e Corumbá) e a Gruta do Lago Azul (Bonito).

Cb image default

O Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema possui 73.345,15 hectares localizados na Bacia do Rio Paraná, abrangendo os municípios de Jateí, Naviraí e Taquarussu. Criado em 1998, foi a primeira Unidade de Conservação do Estado assim constituída. Sua criação foi motivada pela medida compensatória da Usina Hidrelétrica Sérgio Motta, da Companhia Energética de São Paulo (CESP), em dezembro de 1998.

Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), a decisão política já foi tomada, inclusive havendo tratativas sobre o tema, mas existe outro trabalho interno a fazer, sob responsabilidade da própria secretaria e também do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), que é a mudança do plano de manejo.

Em relação aos possíveis resultados financeiros para o Estado, os valores ainda não foram definidos. No entanto, a partir da concessão, esses parques teriam garantia de administração, manutenção e proteção constantes, além de se tornarem atrativos do ponto de vista turístico. (Com informações do Correio do Estado e do Imasul).

Cb image default