Publicado em 17/03/2016 às 14:37, Atualizado em 26/04/2017 às 15:51

Patrocinadores da Olimpíada mostram otimismo com negócios no país

, Agência Brasil

Representantes de multinacionais patrocinadoras dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos deste ano demonstraram otimismo em relação ao futuro do país na área de negócios, apesar da crise política e econômica. Eles participaram de uma mesa redonda, nesta manhã de quinta-feira (17), do projeto abertura da Casa Rio, no Museu do Amanhã, centro da capital fluminense, na abertura da primeira casa temática dos Jogos Rio 2016, Casa Rio.Para o CEO da empresa Ernest Young no Brasil, Jorge Menegassi, a crise atual, embora seja dolorosa, vai gerar frutos positivos no futuro. "O Brasil continua apresentando oportunidades de crescimento super importantes e o grande desafio das empresas é entender como ela vai operar dentro desse país, que deve ter códigos de ética extremamente rigorosos", disse.O executivo ressaltou que, no médio e longo prazo, o Brasil é extremamente promissor. “Temos uma geração de jovens, somos cerca 200 milhões de pessoas, de consumidores. É um país viável e um dos mais importantes dentro do mercados dos países emergentes, afirmou. Young adiantou que a amepresa está crescendo 15% neste ano, quase o dobro do crescimento no ano passado. "Nesse momento de crise, estamos aproveitando esse evento para inovar. Existem oportunidades. Não dá para ficar ao sabor do vento."Para o diretor para a América Latina da empresa de TI Atos, Fernando Simões, o país sairá mais forte. “No futuro, empresas que talvez pensassem em fazer negócios aqui de uma maneira não transparente, ao ver toda a repercussão e a dor de cabeça que outras estão tendo por aí, vão pensar cinco vezes e, assim, teremos um fator de mitigação e um cenário um pouco mais claro. Acredito que estamos passando por um período de limpeza e de um futuro melhor."

Na opinião da presidente da empresa Microsoft no Brasil, Paula Bellizi, a situação é passageira e não deve prejudicar o sucesso da Olimpíada. "O Brasil já passou por diversos momentos desafiadores e este não será o último. A Microsoft pode ajudar e estamos focados no que podemos controlar", comentou. "Nesse momento, a tecnologia pode ajudar o país e os Jogos Olímpicos". Segundo ele, a empresa, que desenvolveu o portal oficial dos Jogos, espera que o site seja o mais acessado da história da internet. “Esperamos 5 bilhões de acesso no mundo inteiro, ou mais. Estamos muito orgulhosos de poder ajudar o Brasil a fazer história na Olimpíada."A diretora de inovação da Cisco no país, Nina Lualdi, empresa responsável pela infraestrutura de networking das Olimpíadas, afirmou que o momento atual não prejudicou o andamento dos projetos da empresa. "A Rio 2016 será a Olimpíada mais conectada do mundo. A estrutura denetworking e de internet já está 90% implementada e os projetos das naves do conhecimento já está entregues", disse.O diretor de marketing para esportes da General Eletric, Kristopher Katsuleres disse que a empresa já patrocinou outras olimpíadas e que cada cidade tem um desafio. “Somos parceiros da cidade e a cada novo desafio temos que enfrentá-los e fazer ajustes para oferecermos jogos fantásticos", destacou, depois de participar da mesa-redonda por vídeo-conferência. Ele adiantou que a empresa investirá pesadamente em marketing e campanhas da marca no país ao longo do ano.O projeto Casa Rio é executado pela Rio Negócios, agência de atração e investimentos da Prefeitura do Rio. A estimativa da agência é que os Jogos já atraíram R$ 9 bilhões em investimentos e mais de 16,5 mil novos postos de trabalho. Com foco no desenvolvimento de negócios, a Casa Rio tem previstos 40 eventos, entre conferências, rodadas de negócios e apresentações de oportunidades de investimento na cidade, até setembro.