Domingo, 15 de Dezembro de 2019
Buscar

Reforma da Previdência de Bolsonaro chega a Mato Grosso do Sul

Estado pode economizar até R$ 10,6 bilhões em 20 anos – mesmo valor da receita corrente líquida de 2019

Cb image default
Imagem: Chico Ribeiro

Depois de ser aprovada pelo Congresso Nacional em 12 de novembro, a reforma da previdência do presidente Jair Bolsonaro chegou a Mato Grosso do Sul nesta semana. Isso porque o governador Reinaldo Azambuja enviou à Assembleia Legislativa, na segunda-feira (25), uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para igualar as regras previdenciárias dos servidores públicos estaduais às normas federais.

O texto proposto é uma réplica da reforma em âmbito nacional, explicou o governador à imprensa nesta terça-feira (26). “Sem nenhuma inovação”, garantiu ele. Segundo Reinaldo Azambuja, o objetivo é dar aos servidores do Estado o mesmo tratamento atribuído aos funcionários da União, quanto às regras de concessão de aposentadoria e de pensão por morte, por serem todos eles vinculados a Regime Próprio de Previdência Social (RPPS).

A proposta ajusta a idade mínima de aposentadoria para 65 anos para homens e 62 para mulheres, diminuindo aposentadorias precoces, já que a expectativa de vida no Centro-Oeste é de 83 anos; promove mudanças nas regras de pensão; limita acúmulo de benefícios; torna o RPPS responsável pelo custeio de aposentadorias e pensões; e reduz o déficit previdenciário. A estimativa de economia do Governo é de R$ 10,6 bilhões em 20 anos – mesmo valor da receita corrente líquida de 2019.

Na mensagem enviada ao Legislativo, o governador salientou que a PEC busca a sustentabilidade do sistema previdenciário de MS e a garantia de que os atuais e futuros benefícios sejam pagos a aposentados e pensionistas. Já a equipe econômica do Governo esclareceu que os atuais aposentados e pensionistas não terão suas concessões afetadas, nem aqueles com direito adquirido por já terem preenchidos os requisitos legais.

Policiais militares e bombeiros também estão excluídos da proposta, uma vez que tramita no Congresso Nacional projeto de lei que trata sobre essas carreiras.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.