Buscar

Superavit da balança comercial de MS salta de US$ 8,3 milhões para US$ 2,1 bilhões

Após quatro anos deficitário, entre 2010 e 2013, o saldo da balança comercial de Mato Grosso do Sul disparou, de US$ 8,3 milhões, em 2014, para US$ 2,118 bilhões, em 2017. Por outro lado, Mato Grosso do Sul ampliou a pauta de exportações. Na região do Brasil Central, que inclui o Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Rondônia e Tocantins, MS foi o segundo que mais diversificou os itens do comércio exterior, atrás apenas de GO.

Nos últimos três anos, as exportações de Mato Grosso do Sul ganharam ritmo surpreendente. O primeiro saldo positivo desde 2010 foi registrado em 2014, com superavit de US$ 8,3 milhões. A partir de 2015, com as políticas de estímulo à produção, diversificação da economia e indução do desenvolvimento, além da queda das importações, a balança comercial do Estado se manteve superavitária e chegou à casa do bilhão.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Mato Grosso do Sul diminuiu o ritmo das importações e acelerou as exportações. O Estado faturou com as vendas externas US$ 4,7 bilhões em 2015, US$ 4 bilhões em 2016 e, em 2017, US$ 4,4 bilhões. Descontando as importações, o saldo foi superavitário, de US$ US$ 1,3 bilhão, US$ 1,7 bilhão e US$ 2,1 bilhões, respectivamente. O superávit foi favorecido pelo aumento da produção destinada ao mercado externo e ligeiro declínio das importações.

Diversificação

Mato Grosso do Sul ampliou a pauta de exportações para 11 itens, ficando atrás apenas de Goiás (14 itens) e na frente do MT (5), RO (5), DF (4) e TO (2). Hoje o Estado exporta soja em grãos, celulose, milho em grão, carne bovina congelada, açúcar, carne de aves, farelo de soja, minério de ferro, couros e peles.

A tendência de crescimento acelerado é comprovada pelos resultados nos dois primeiros meses deste ano. Segundo a Secretaria de Comércio Exterior do MDIC, entre janeiro e fevereiro de 2018 a balança comercial do Estado teve superavit de US$ 257 milhões, com exportações em US$ 663 milhões e importações que somam US$ 405 milhões. No mesmo período do ano passado o saldo foi de US$ 251 milhões.

A celulose foi o produto mais exportado nos dois primeiros meses do ano, com 41% de participação na balança comercial do Estado e crescimento de 70,96% em relação ao mesmo período de 2017. O faturamento chegou a US$ 272 milhões com a exportação de 656 mil toneladas de soja.

A carne bovina ampliou em 24,97% a participação na balança comercial, chegando a 16,45% entre janeiro e fevereiro deste ano. O volume de 28 mil toneladas cresceu 17,31% quando comparado ao ano passado e o faturamento neste ano chegou a US$ 109 milhões.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.