Buscar

Após mais uma morte no Itaquerão, Corinthians declara luto de três dias, mas obras não devem parar

Perto da conclusão de suas obras, o Itaquerão registrou sua terceira morte no último sábado (29) — em novembro do ano passado dois operários morreram após a queda de um guindaste que colocava o última parte da cobertura do estádio.

Dessa vez, Fábio Hamilton da Cruz, de 23 anos, que trabalhava na instalação das arquibancadas móveis para a abertura da Copa do Mundo, escorregou de uma altura de cerca de 10 m e não resistiu aos ferimentos.

O Corinthians, dono da Arena, se manifestou por meio de nota oficial, na qual lamentou a morte do jovem, se solidarizou com a família e decretou luto de três dias no clube. Apesar de mais uma tragédia, no entanto, as obras da Arena não devem ser interrompidas, pois o canteiro não foi afetado como da última vez [em novembro].

Procurado o Secopa, site do governo brasileiro sobre o Mundial, informou que só falará sobre o ocorrido na próxima segunda-feira (31), mas que não há motivos para a paralisação dos trabalhos.

Com isso, o novo prazo final dado pela Fifa ao Corinthians para a entrega, estabelecido para maio de 2014, deve ser mantido.

O acidente

Fábio Hamilton da Cruz era funcionário da empresa WDS, contratada pela Fast Engenharia para instalar as arquibancadas móveis do Itaquerão exigidas pela Fifa para a abertura da Copa do Mundo.

De acordo com o 24º Distrito Policial de São Paulo, onde o boletim de ocorrência do caso foi registrado, as primeiras informações são de que o operário, que morava em Diadema-SP, estava trabalhando no canteiro de obras quando escorregou e caiu de uma altura de 8 a 10 metros. Logo em seguida, por volta das 11h de sábado (29), ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado ao hospital Santa Marcelina, localizado perto ao estádio.

Às 16h, cinco horas após ter dado entrada no local, Fábio não resistiu aos ferimentos, e a assessoria de imprensa do hospital divulgou a notícia de sua morte.

As empresas WDS e Fast Engenharia se manifestaram para explicar a tragédia. Segundo as notas oficiais, ambas vão colaborar com a investigação e prestarão ajuda aos familiares.

Perícia

Em contato com o 24º Distrito Policial de São Paulo, a reportagem apurou que o delegado Rafael Pavarina Herculiani assumiu o caso e esteve tanto no local do acidente como no hospital Santa Marcelina para analisar a cena da tragédia e conversar com testemunhas.

O DP informou que, agora, a investigação aguarda pelo resultado da perícia, que deve sair já neste domingo (30), para descobrir o que exatamente aconteceu no acidente.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.