Buscar

Gaeco e Força Tática fazem operação contra o crime organizado em Nova Andradina

Ação teria como alvos supostos integrantes de facção criminosa

Imagem: Nova News

Cb image default

Na manhã desta terça-feira (12), foi desencadeada em Nova Andradina, por agentes do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, e por policiais militares da Força Tática, a "Operação Paiol" para combater o crime organizado.

Informações extraoficiais apuradas pelo Nova News apontam que os alvos da operação seriam supostos integrantes de uma facção criminosa. Os agentes teriam como objetivo cumprir 27 mandados de prisão preventiva e 12 mandados de busca e apreensão, para combater crimes de organização criminosa, tráfico de drogas, roubo, tráfico de armas e lavagem de dinheiro, praticados por membros da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Até por volta das 07h20, alguns suspeitos já teriam sido detidos e encaminhados para a Delegacia de Polícia na condição de averiguados. O Nova News acompanha a operação à distância, para não atrapalhar os trabalhos e, assim que possível, novas informações serão publicadas. A mesma operação também ocorre de forma simultânea em Campo Grande, Corumbá e no Estado de Goiás.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério Público, a ação foi desencadeada após o assassinato do primeiro sargento reformado da Polícia Militar, Ilson Martins de Figueiredo, que atuava como chefe da segurança da Assembleia Legislativa. Ele foi executado a tiros de fuzil nesta segunda-feira (11), em Campo Grande.

As investigações tiveram início em junho de 2017 e o foco era identificar pessoas integrantes da facção criminosa do Primeiro Comando da Capital, atuantes no Estado de Mato Grosso do Sul, cujas atividades eram voltadas a cuidar do setor responsável pela aquisição, guarda, comercialização e empréstimo de armas de fogo, utilizadas pelos faccionados para o cometimento dos mais diversos crimes.

O nome da operação "Paiol" refere-se justamente à nomenclatura utilizada pela organização para referir-se ao local onde são armazenados os armamentos do grupo. Durante o transcorrer das investigações, além das prisões, outras sete pessoas foram presas em flagrante delito por tráfico e porte de arma de fogo de uso proibido.

A Operação Paiol está em andamento e já foram apreendidos 800 gramas de skank, 343 munições e cinco armas de fogo, dentre elas uma submetralhadora, marca HUGGER - calibre 9mm e um Fuzil SL 15, marca Spike Táctica. (Matéria atualizada às 10h29 de 12/06/2018 para acréscimo de informações).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.