Buscar

Grupo reúne autores de violência doméstica em Nova Andradina

Projeto "Homens em Movimento" busca conscientizar homens que respondem a processo judicial de violência doméstica ou familiar

Cb image default
Imagem: Divulgação

A Prefeitura de Nova Andradina iniciou o projeto "Homens em Movimento", que é um grupo aberto para voltado para os autores de violência doméstica ou familiar contra a mulher, que são encaminhados judicialmente.

O trabalho busca promover uma mudança cultural sobre a violência contra a mulher, a partir da reflexão e responsabilização desses homens, através de atividades grupais de caráter reflexivo e psicopedagógico.

A coordenação deste grupo está nas mãos de Marcílio Caetano e Seiny Batista, com supervisão da psicóloga Sonia Rodrigues e sob a responsabilidade da secretária Julliana Ortega.

A iniciativa tem a parceria do Tribunal de Justiça de MS, sendo responsável pela capacitação e treinamento dos profissionais envolvidos; e a execução é feita pela Secretaria Executiva de Políticas Públicas da Mulher.

Formado por 13 homens, o grupo se reúne em encontros semanais onde são abordados diversos temas, tais como: Tipos de Violência (Lei Maria da Penha), Valores e Direitos Humanos, Gênero e Papéis Sociais, Micromachismos, Ciclo de Violência, Parentalidade, Dependência Química, entre outros.

O lançamento oficial do projeto "Homens em Movimento" foi realizado juntamente com a campanha "16 Dias de Ativismo pelo fim da Violência contra a Mulher", porém, o grupo vem se reunindo há cerca de 30 dias.

Nas palavras da secretária da pasta, a parceria com o Tribunal de Justiça foi fundamental, já que eles desenvolvem no âmbito estadual o projeto "Dialogando Desigualdades", que tem essa mesma proposta de "quebrar" o ciclo de violência logo no início.

"Antes de chegar ali, eles agrediram, xingaram ou empurraram as companheiras. Muitos nem sabiam que a atitude é, sim, violência doméstica. Porém, é durante as reuniões do projeto que pretende reduzir as estatísticas, que eles aprendem e pensam bastante antes de qualquer atitude. O caminho é árduo, mas tem que ser trilhado", afirma Julliana Ortega.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.