Buscar

Homens são detidos e multados pela PMA de Batayporã e Mundo Novo, acusados de crime ambiental 

Um caminhão carregado com carga de carvão ilegal foi apreendido pola PMA de Mundo Novo e, em Nova Andradina, a PMA de Batayporã fechou uma carvoaria ilegal

Na noite desta terça-feira (12), a Polícia Militar Ambiental deMundo Novo flagrou o motorista de um caminhão Mercedes Benz transportando uma carga de 50 m³ de carvão nativo sem o documento de origem florestal (DOF). A abordagem ocorreu na rodovia MS-163.

Em vistoria a PMA constatou que para burlar a fiscalização, o carvoeiro transportava carvão nativo com nota fiscal de eucalipto, já que para este produto não há necessidade do documento ambiental. Segundo os policiais, aparentemente até existia carvão de eucalipto misturado com o carvão nativo.

Diante da irregularidade, o carvoeiro que reside no município de Nova Andradina, foi multado em R$15 mil. O carvão e o veículo foram apreendidos e encaminhados, com o infrator, até a Delegacia de Polícia Civil de Mundo Novo. Ele responderá por crime ambiental. Se condenado, poderá pegar pena de seis meses a um ano de detenção.

Imagens: Divulgação/PMA

O infrator afirmou que o carvão saiu de uma carvoaria localizada no município de Nova Andradina. Diante da informação, os militares de Mundo Novo acionaram a PMA de Batayporã que se deslocou até a propriedade para averiguar o tipo de carvão processado.

Na manhã desta quarta-feira (13), uma equipe da Polícia Militar Ambiental desativou a carvoaria, que fica localizada no município de Nova Andradina, a 49 quilômetros da área urbana da cidade. No local, os policiais encontraram madeira nativa sem origem e documentação legal.

A carvoaria foi interditada e aproximadamente 18 m³ de madeira nativa sem origem e o carvão que estava sendo processado foram apreendidos. Na carvoaria existiam também várias madeiras de eucalipto, que segundo os policiais possivelmente seriam misturadas ao carvão nativo.

O carvoeiro, um homem de 39 anos, que residente em Nova Andradina, foi autuado administrativamente e multado em R$ 5.400 mil, por funcionar atividade potencialmente poluidora sem autorização ambiental. Ele também responderá por crime ambiental e poderá pegar pena de seis meses a um ano de detenção.

Imagem: Divulgação/PMA

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.