Buscar

Mais um caso de violência contra animais ocorre em Batayporã

Na manhã desta segunda-feira (13), o Nova News registrou mais um caso de maus tratos a animais ocorrido na cidade de Batayporã. O cavalo pertencente a um carroceiro de 54 anos foi encontrado, no último final de semana, com sinais de violência.

Segundo o proprietário do equino, ele foi deixado em um terreno localizado na região da Vila Militar, amarrado com uma corda comprida, que permitia tranquilamente que o animal se locomovesse e pastasse, porém, na manhã de sábado (11), ao retornar no local, o homem encontrou o cavalo amarrado a um tronco de madeira e com ferimentos.

Nas palavras do proprietário, o cavalo estava com o pescoço amarrado bem próximo ao solo, com as patas dianteiras também amarradas e sem poder se locomover. As cordas foram tão apertadas, que causaram graves ferimentos no animal.

Carroceiro acredita que cavalo foi torturado por autor (Imagens: Acácio Gomes/Nova News)

Ao libertar o cavalo, o carroceiro percebeu os ferimentos e regiões com inchaços pelo corpo do animal que, apesar de medicado, ainda apresenta dificuldades de locomoção. O homem afirma que depende do cavalo para fazer seus fretes e produzir sustento à família, porém, devido ao estado de saúde do equino, ele não sabe quando retornará às atividades.

O homem diz não ter suspeitas de quem possa ter praticado os maus tratos e também descarta a possibilidade de que o próprio cavalo tenha se enroscado na corda devido à forma como ele apareceu amarrado. Há cerca de oito anos, o mesmo carroceiro teve uma égua assassinada a facadas na mesma região da cidade.

Outro caso

Na manhã de quinta-feira (02), o responsável por uma chácara localizada em uma estrada não pavimentada, nas proximidades do Cemitério Municipal de Batayporã, constatou que um animal de sua propriedade havia sido morto a facadas.

Leia também
  • Animal é morto a facadas em chácara de Batayporã

Segundo ele, o potranco da raça Quarto de Milha, com apenas cinco dias de vida, foi atingido por golpes de faca na altura da barriga e da coxa. O fato teria sido constatado por um vizinho da propriedade, que o avisou. 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.