Buscar

Me perdoe, diz suspeito de disparar tiro que matou criança em MS

Rapaz  fala  que  gostaria  de  pedir perdão à mãe do menino de 11 anos

Suspeito de matar Matheus Garcia Cabral, de 11 anos, no dia 22 de dezembro, no bairro Parque do Sol, em Campo Grande, Jeferson Teixeira Ramão, de 25 anos, diz que gostaria de pedir perdão à mãe da criança. "Que me perdoe, só isso".

Suposto autor de colete balístico na reconstituição do atentado que matou menino (Foto: Nadyenka Castro/ G1 MS)

A declaração de Ramão, que apesar do pedido de perdão nega que o tiro disparado por ele tenha atingido o menino, foi feita durante reconstituição realizada pela polícia nessa terça-feira (14). Ao fim dos trabalhos, a perícia concluiu que o disparo que atingiu a criança saiu da direção de onde estava o suspeito.Ramão defende-se. "Eu não matei nenhuma criança inocente. Eu sou pai, tenho quatro filhos".  O suspeito explica que ele e o rapaz de 25 anos, que segundo a polícia era o alvo dos tiros, tinham desentendimentos familiares. Ele fala ainda que já havia sido ameaçado de morte pelo jovem e que já tinham brigado. Por isso havia comprado uma arma de fogo e no dia 22 eles se encontraram e houve os tiros.

Segundo a Polícia Civil, o alvo dos tiros é pai da enteada de Ramão. E o desentendimento entre eles seria por causa do relacionamento com a criança.Conforme a Polícia Civil, testemunhas afirmam que Ramão atirou em direção ao rapaz, que não estava armado e correu para não ser alvejado. Um desses tiros teria atingido Matheus.Já na versão de Ramão, ele e o rival se encontraram a cerca de 70 metros da casa onde a criança estava. O suspeito diz que o jovem fez o primeiro disparo e em seguida ele fez mais três.Ramão se apresentou à polícia no dia 30 de dezembro e como já havia mandado de prisão contra ele, ficou na cadeia. Um jovem que teria ajudado Ramão no crime está foragido.Ainda de acordo com a polícia, o alvo dos tiros também está foragido, mas por ter fugido do regime semiaberto.

Na versão do suspeito, ele e outro jovem se encontraram perto da esquina (Foto: Nadyenka Castro/ G1 MS)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.