Buscar

Paranhos - Pistoleiro confessa crime e garante que não sabia que alvo era um prefeito

Gabriel Queiroz, de 26 anos, foi contrato para matar Dirceu Bettoni e receberia R$ 20 mil pelo serviço

Cb image default
Gabriel Queiroz foi preso em flagrante - Imagem: Garras

Gabriel Queiroz, de 26 anos, preso na noite de sábado (16) pelo atentado contra o prefeito de Paranhos, Dirceu Bettoni (PSDB), confessou o crime em depoimento e afirmou só ter descoberto quem era o alvo dos tiros depois do crime, enquanto jogava baralho em um bar da cidade e viu a notícia da tentativa de homicídio na televisão.

Para a polícia, Gabriel contou detalhes do crime, mas foi categórico em afirmar que não sabia quem era a vítima. Em depoimento, o suspeito relatou que já cumpriu pena por roubo em Dourados e que atualmente trabalhava como auxiliar de enfermagem em Campo Grande, mas há dois anos se envolveu com o contrabando de cigarro e chegou a “puxar” a mercadoria do Paraguai para o Brasil.

Segundo ele, foi nessa época que conheceu o contratante do crime, identificado como Cláudio, um vendedor de cigarro paraguaio na região de Salto del Guairá. A proposta para matar o prefeito veio no começo do mês, por WhatsApp.

Por mensagem, Cláudio ofereceu o “serviço” a Gabriel que aceitou, com a promessa de receber R$ 20 mil. No dia 10 deste mês, ele viajou para a fronteira com a mulher, Djuly Priscilla Couto e a enteada de 5 anos. O casal foi até Sete Quedas e lá, em um posto de combustível, o suspeito encontrou Jomar Lemes, funcionário do mandante do crime que acabou assassinado a tiros ao sair da delegacia no domingo (17).

Em um veículo Fiat Strada, vermelho, Jomar levou Gabriel até a casa do prefeito e pelo celular, mostrou a foto de Bettoni, segundo o autor, sem falar o nome do alvo. Com o “negócio fechado”, o pistoleiro recebeu R$ 5 mil antecipado. O dinheiro foi depositado por Cláudio e usado na compra da moto usada no crime.

Na noite do dia 14 de junho, Gabriel foi até Paranhos e viu o momento em que o prefeito chegou em casa com a caminhonete Hilux. Ele então virou a esquina, estacionou a moto e voltou a pé. Em depoimento, ele afirmou que se aproximou, abriu a porta do veículo e se deparou com a vítima ainda na caminhonete.

Assustado, o prefeito teria chutado o autor, que disparou várias vezes. Gabriel lembrou que estava com dois revólveres, um calibre 38 e um 32. Sacou primeiro o revólver calibre 32, descarregou a arma, guardou no casaco e pegou a 38, fez novos disparos e fugiu.

Depois de jogar o casaco que vestia fora e abandonar a motocicleta na saída da cidade, Gabriel andou até um bar e começou a jogar baralho. Foi neste momento, segundo ele, que descobriu em quem havia atirado. Por noticias do crime na televisão, viu que a vítima era o prefeito de Paranhos.

“Pedi um telefone emprestado e liguei para minha mulher, ela foi me buscar”, contou. A todo momento, Gabriel afirmou que a esposa não sabia do crime. Para a polícia, Djuly Priscilla, contou que também foi pela televisão que descobriu sobre o crime e desconfiou do marido. Ao perguntar se ele era o autor da tentativa do homicídio ouviu: “Dei bote errado, eu não sabia que o cara era prefeito”.

Dirceu Bettoni foi atingido por quatro disparos, foi transferido para o Hospital do Coração de Dourados, onde cirurgia. Segundo o prefeito interino, Luciano Rodrigues (DEM), Bettoni deve deixar ainda hoje leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Já Gabriel e Djuly foram presos em flagrante por equipes do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), quando voltavam para Campo Grande. No dia 18, o casal passou por audiência de custódia e teve a prisão preventiva decretada.

O homem foi enviado a Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho, o presídio de segurança máxima de Campo Grande e a mulher segue presa no Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi”.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.