Buscar

Polícia Militar Ambiental autua 104 pescadores durante quatro meses de abertura da pesca em MS

Autuações chegaram a mais de R$ 151 mil

Imagem: Divulgação / PMA

Cb image default

Nesta segunda-feira (01), completam-se quatro meses da abertura da pesca em todos os rios de Mato Grosso do Sul. Neste período, a Polícia Militar Ambiental (PMA) autuou 104 pessoas por pesca ilegal. Desses autuados, 74 foram presos por pesca predatória e 30 foram autuados por praticar pesca sem a licença ambiental.

O mês de junho foi o mais tranquilo, com apenas um preso, que também foi multado em R$ 1.440,00. Em maio foram cinco presos, que receberam R$ 11.060,00 em multas. O mês de abril foi o que ocorreu o maior número de autuados. Foram 52 presos por pesca predatória, os quais foram multados em R$ 88.913,00 e 29 autuados por pescar sem licença, sendo multados em R$ 22.680,00.

No mês de março foram 16 pessoas presas por pesca predatória, que foram multadas em R$ 26.258,00 e um pescador foi autuado por pescar sem licença, sendo multado em R$ 800,00. Ao total foram R$ 151.151,00 em multas.

Foram apreendidos 744,5 kg de pescado com os infratores, além de diversos barcos, motores de popa, petrechos de pesca e veículos. 126 kg de pescado vivos encontrados presos em petrechos ilegais, principalmente redes de pesca, foram soltos nos rios.

Petrechos proibidos

Em seis meses, contando com janeiro e fevereiro (piracema), foram 15.410 metros de redes e 25 espinheis com 290 anzóis, medindo 770 metros, foram apreendidos. A PMA ressalta a importância da fiscalização na retirada desses tipos de petrechos pelo alto poder de captura.

O destaque para as apreensões de redes são os lagos das usinas hidrelétricas do Rio Paraná, pois o uso desses petrechos é muito comum na região, uma vez que, nestes locais o equipamento é permitido para o pescador profissional, desde que identificado e com malha de tamanho a partir de 140 milímetros.

Ocorre que muitos pescadores profissionais armam redes com malha menor à permitida e evidentemente não as identificam. A legislação só permite também no máximo 100 metros de redes armadas, localizadas pelo menos, a 150 metros de distância uma da outra, porém, muitas vezes, os pescadores profissionais emendam várias redes excedendo a metragem.

Além disso, pescadores amadores, que não podem por lei utilizar esses petrechos, também acabam utilizando, o que caracteriza crime ambiental.

Além dos espinheis e redes de pesca, também foram apreendidos e retirados dos rios, 648 anzóis de galho, 17 tarrafas e 30 boias.

Uso de drones

O uso de drones pela PMA na fiscalização tem funcionado como uma importante ferramenta nos trabalhos preventivos, pois os infratores têm ficado com receio de serem identificados pelas imagens, bem como os aparelhos permitem que os policiais possam fiscalizar grandes áreas de rios, ou terrestres, sem serem percebidos, o que dificulta ainda os avisos via celular aos infratores, que são comuns quando as equipes estão nos rios, ou a campo.

Cartilha do pescador

Quem gosta de pescar e quiser fazê-lo sem tem problemas com as autoridades pode ter acesso à Cartilha do Pescador, que contém todas as informações sobre o que é permitido e proibido nos rios de Mato Grosso do Sul. Para conferir o documento clique aqui.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.