Buscar

Vivendo dias de calmaria, Nova Andradina fecha semestre com alta redução no índice de criminalidade

Os furtos reduziram 63,5 % e os roubos surpreenderam com 109,5% a menos em comparação ao mesmo período do ano passado

Os dias de maior apreensão com os índices de criminalidade que foram às alturas em 2017 não podem ser mais sentidos em Nova Andradina neste ano. Vivendo dias de calmaria, o semestre fechou com alta redução nos crimes que geralmente mais preocupam a população.

Segundo os números exclusivos ao que o Nova News teve acesso junto à estatística semestral da 1ª Delegacia Polícia Civil, o destaque fica para os furtos e roubos que apresentam expressiva queda entre janeiro e junho. Em números absolutos, os furtos reduziram 63,5 % e os roubos surpreenderam com 109,5% a menos em comparação ao mesmo período do ano passado.

Furtos preocupam menos hoje em Nova Andradina - Detalhados mês a mês, os furtos ainda começaram o ano com alta nos casos registrados com 68 (2018) e 67 (2017) em janeiro com aumento de 1,49%. Na sequência, fevereiro já começou a dar uma amostra da queda nos números com 96 (2017) e 48 (2018) – a redução foi de 50%.

Seguindo o mesmo patamar de redução, março fechou com 123 casos (2017) e 67 (2018) – índice este 45,52% menor. Quanto a abril, os números apresentaram menor queda com 98 (2017) e 88 (2018) que equivale a apenas -11,36%.

Com as atenções policiais voltadas para o primeiro mês de trimestre, maio e junho voltaram a ter destaque na diminuição dos crimes de furtos. Maio teve o maior índice de queda com 117 (2017) e 54 (2018): - 116,66%. E, por fim, junho registrou 102 (2017) e 56 (2018), totalizando uma redução de 82,14%.

Um dado que merece ser destacado é a redução dos furtos que inclui os crimes praticados em residência que causam maior preocupação em Nova Andradina. Janeiro teve 22 (2017) e 31 (2018); Fevereiro 38 (2017) e 18 (2018); Março 43 (2017) e 27 (2018); Abril 21 (2017) e 41 (2018); Maio 42 (2017) e 18 (2018), e; Junho 41 (2017) e 20 (2018).

Cb image default

Delegado diz que o desbaratamento de células criminosas que agiam na cidade foi crucial para redução – Foto: Luciene Carvalho/Nova News

Indicadores de violência, roubos surpreendeu com expressiva queda - Com índices mais que positivos, um dos destaques do cenário de criminalidade em Nova Andradina é para a redução dos casos de roubo apontados como indicadores de violência. Na maioria dos meses do último semestre, chegou a ser zero o quantitativo registrado em alvos mais visados pela bandidagem, como, por exemplo, comércios da cidade.

A estatística aponta que os números em janeiro foram 14 (2017) e 7 (2018) – 50% a índice de redução. Já fevereiro, a queda se mantém com 15 (2017) e 7 (2018) que é igual a menos 53,33%. Março também não foi a diferente com 24 (2017) e 9 (2018), fechando com 166,66% de queda.

No seguinte trimestre, os números foram ainda menores. Abril contabilizou 10 (2017) e 3 (2018) com diminuição de 233,33%. Em maio, os roubos somaram 12 (2017) e 5 (2018) referente a -140%; E, fechando a análise, junho terminou com 10 (2017) e 5 (2017) que significa em porcentagem 100% de queda.

Especificando os crimes que mais preocupam, os roubos em comércio registram os seguintes números na comparação com o ano anterior:

VIA URBANA – janeiro 9 (2017) e 3 (2018) -200%; fevereiro 10 (2017) e 4 (2018) -150%; março 19 (2017) e 4 (2018) -78,94%; abril 7 (2017) e 3 (2018) -133,33%; maio 11 (2017) e 3 (2018) -267%, e; junho 7 (2017) e 5 (2018) -40%.

COMÉRCIO – janeiro 1 (2017) e 2 (2018) -50%; fevereiro 1 (2017) e 0 (2018) -100%; março 1 (2017) e 0 (2018) -100%; abril 0 (2017) e 0 (2018 -0%; maio 0 (2017) e 2 (2018) +200%, e; junho 0 (2017) e 0 (2018) -0%.

Mesmo com maior número, homicídios foram 100% esclarecidos - Um dos principais indicadores de violência, o índice de homicídios fechou o semestre com um dado positivo. Dos 5 casos registrados, todos foram esclarecidos em uma média de 100%, contra os 3 de 2017 em que a média foi de apenas 33,3% com um único caso elucidado.

De modo geral, a estatística semestral da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Nova Andradina aponta que no primeiro semestre de 2018 foram registradas 1.890 ocorrências. No semestre do ano anterior, o total foi de 2.166 – uma redução de 12,75%.

Cb image default
Novelli afirma que redução aumenta sensação de segurança à população - Foto: Luciene Carvalho/Nova News

Sem dar trégua à bandidagem, delegado diz que atuação da polícia surte resultado

A forte repressão das forças de segurança que atuam em Nova Andradina no combate à criminalidade foi destacada pelo delegado regional, André Luiz Novelli Lopes, em entrevista exclusiva ao Nova News, nessa quarta-feira (04), após apresentar os dados estatísticos do fechamento semestral à reportagem.

Na análise do delegado, a redução de furtos e roubos dá uma maior sensação de segurança à população por se tratarem de crimes contra o patrimônio e a vida. “No comparativo com o ano passado, os números do semestre denotam uma queda de mais de 63% nos furtos e de quase 110% nos roubos. Quanto aos homicídios, embora tenham ocorrido mais neste ano, a Polícia Civil conseguir esclarecer todos sem nenhuma exceção”, pontuou.

Novelli detalhou que atribui os números semestrais a vários fatores que influenciam direta e indiretamente no resultado. Um dos principais, segundo ele, foi o desbaratamento de células criminosas que estavam bastante atuantes na cidade, principalmente nos furtos em residência. “Com a elucidação dos casos, esses agentes criminosos estão sofrendo privação de liberdade ou medidas sócio-educativas de internação em UNEIs (Unidade Educacional de Internação) do Estado”, expôs a autoridade policial ao relatar que em 2017 apenas um adolescente infrator foi recambiado, enquanto que neste ano já somam 6 casos.

Com a elucidação dos casos, agentes criminosos estão sofrendo privação de liberdade ou medidas sócio-educativas de internação em UNEIs do Estado

Delegado regional, André Luiz Novelli Lopes

Classificando o problema da criminalidade em Nova Andradina como também um fator social, o delegado explica que, à exceção de alguns casos, os crimes em quase sua maioria acontecem por ‘oportunidade’, em especial os furtos, que estão relacionados a questões sociais e econômicas. “Em número menor, os crimes que exigem prévio planejamento como, por exemplo, o abigeato e até mesmo alguns praticados em residências e comércios, são geralmente esclarecidos. Já que o chamamos de furtos de ‘oportunidade’ costumam ser a maioria e muitas das vezes são praticados por usuários de droga para sustentar um vício”, ressalta Novelli.

Com maior número entre os crimes registrados, Novelli salienta que os furtos, mesmo se tratando de um delito com menor potencial ofensivo, passaram a demandar uma maior atenção devido à reincidência nos casos. “A partir do momento que um envolvido passa a cometer o mesmo crime reiteradas vezes, a repressão é maior. A justiça entende que tal indivíduo precisa ser tirado de circulação a fim de garantir uma maior ordem pública à população”.

Ao fazer uma avaliação positiva no cenário atual da criminalidade no município, o delegado deu ênfase ao trabalho conjunto com as demais forças de segurança. “De um lado, o patrulhamento e ações da Polícia Militar nas ruas e, de outro, a investigação criminal realizada de forma eficiente pela Polícia Civil, alicerçam um contexto que a população hoje pode sentir. As ações continuam no intuito que a repressão à criminalidade continue surtindo efeito positivo”, aponta Novelli.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.