Buscar

Nelsinho dribla legislação eleitoral e inicia campanha ‘velada’ ao governo pela rede social

O ex-prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), está intensificando a campanha dele rumo ao Governo do Estado. A Legislação Eleitoral define que os candidatos só podem começar a campanha eleitoral no dia 6 de julho, o que tem sido ignorado pelos pré-candidatos em Mato Grosso do Sul. Além dos passeios diários a vários municípios, utilizando-se do cargo dado por André Puccinelli (PMDB), Nelsinho resolveu intensificar a campanha nas redes sociais. Tentando ser discreto, ele anunciou no Facebook que algumas pessoas cuidarão da página.

“A partir de agora, algumas pessoas da minha equipe começarão a me ajudar a construir essa conversa com vocês a fim de tornar essa experiência cada vez mais rica e mais informativa. Quero reforçar o convite para que todos venham participar com seus comentários e suas ideias. Nos próximos meses estaremos muito mais próximos”, avisou.

Deixando o receio da Justiça Eleitoral de lado, Nelsinho não hesitou em falar da importância do ano eleitoral. “Este é um ano para falarmos muito sobre o nosso Estado. É um ano para refletir sobre nossas conquistas e sobre o que é necessário fazer para o Mato Grosso do Sul continuar no caminho certo", declarou, sem receio de defender a permanência dele e do partido no poder. "Para mim, estar tão perto de todos aqui é a minha grande motivação para continuar essa conversa”, acrescentou.

Nelsinho já responde a três representações ajuizadas pela Procuradoria Regional Eleitoral em Mato Grosso do Sul (PRE/MS) por propaganda eleitoral antecipada. Segundo o portal oficial do Ministério Público Federal em MS, ele teria lançado pré-candidatura ao Governo do Estado pelo PMDB quase um ano antes do que é permitido por Lei, o que pode resultar em multa de até R$ 75 mil reais.

A denúncia afirma que em 30 de agosto de 2013 Nelsinho divulgou em sua página no Facebook uma foto declarando ser o pré-candidato do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) à eleição de 2014. Já em 2 de setembro, em entrevista a um site, falou abertamente sobre sua pré-candidatura, assim como no dia 5 de setembro a uma rádio. Ao antecipar a campanha, o ex-prefeito desrespeitou a Lei nº 9.504/97, que prevê, no artigo 36, que “a propaganda eleitoral somente é permitida após o dia 6 de julho do ano da eleição”.

A PRE/MS pede que a Justiça determine a retirada de todas as publicações veiculadas na mídia e que os envolvidos sejam condenados a pagar multa, que varia de R$ 5 a R$ 25 mil, por cada infração. O ex-prefeito pode ser condenado até nas três situações, acumulando a multa.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.