Buscar

Veículos oficiais de atendimento emergencial terão tráfego livre nos pedágios

Imagem: Divulgação/Assessoria 

Em Mato Grosso do Sul os carros oficiais utilizados em atendimentos públicos emergenciais como as ambulâncias, veículos do Corpo de Bombeiros e das polícias civil e militar terão tráfego livre nos pedágios. O fluxo contínuo será feito por meio de uma etiqueta eletrônica inserida nos veículos que ativa a abertura da chancela. A nova norma foi proposta por meio de lei apresentada pelo deputado estadual Renato Câmara (PMDB) e sancionada nesta quinta-feira (10) pelo governo.

Os carros utilizados em atendimentos emergenciais são isentos do pagamento da tarifa de pedágio desde 2012 conforme resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). No entanto, estes veículos não estavam, em Mato Grosso do Sul, livres do processo de identificação nas praças de pedágios. Para a liberação da passagem, era necessário entrar na fila dos carros comuns, passar pelo guichê, apresentar os documentos e só então seguir viagem. Considerando a urgência dos casos em que esses carros são necessários, a nova norma otimiza o tempo gasto no reconhecimento.

O próximo passo será inserir, nos automóveis, a etiqueta eletrônica que por meio da leitura e gravação de dados libera a chancela automaticamente com a proximidade do veículo. Com o uso desta tecnologia esses carros passarão a utilizar a pista de fluxo contínuo, conhecida como “faixa sem parar”.

O deputado ressaltou a importância da aprovação da lei pelo governo, “estamos em um processo crescente de instalação de praças de pedágios em nossas rodovias e, em casos de emergência, o tempo é nosso primeiro inimigo. Atendimentos podem ser prejudicados pela demora nos pedágios. Adotando esse procedimento de tráfego livre para os carros oficiais que atendem casos de urgência estamos proporcionando melhores condições para execução desse tipo de trabalho”.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.