Domingo, 15 de Dezembro de 2019
Buscar

“Deputados estaduais não querem a batata quente”, por Elizeu Gonçalves Muchon

Cb image default
Elizeu Gonçalves Muchon - Foto: Divulgação

A Reforma da Previdência proposta pelo Presidente Bolsonaro, atualmente em tramitação na Câmara dos Deputados em Brasília, inclui mudanças para os Estados e Municípios em seu texto final. Entretanto, os Deputados Federais não querem votar o texto e carregar o desgaste. Eles entendem que se a República Federativa do Brasil tem seu pacto determinando: União, Estados e Municípios e se cada um de seus ente federado tem seu próprio sistema de previdência, então, cada um faça sua reforma e assuma a responsabilidade.

Não é, definitivamente o pensamento dos Deputados Estaduais. Os ocupantes de uma cadeira na Assembleia Legislativa têm plena clareza de que o Governo Federal pode realmente tirar os Estados e Municípios do texto da reforma. Se assim o fizer, o Governador Reinaldo terá que fazer a Reforma da Previdência Estadual. Ocorre que ano passado o Governo do Estado já fez uma reforma, devidamente aprovada pela Assembleia. Entre as mudanças, os pontos mais relevantes foi estabelecer um aumento de 11% para 14% no repasse dos servidores por mês, para aqueles com vencimentos até 5.800,00. Também unificou os fundos de previdência.

Os Deputados Estaduais sabem que enfrentar uma nova reforma será enfrentar a fúria de milhares de servidores. É enfrentar um desgaste de proporções inimagináveis. Não é diferente com o Governador Reinado, tanto que o que se vê é um discurso uníssono empurrando a responsabilidade para os Parlamentares Federais.

No entanto parece complicado para esse discurso prosperar, já que os líderes na Câmara Federal avisaram, que se não retirar da Proposta, Estados e Municípios a reforma pode ir para a gaveta. Entre uma coisa e outra, é bem provável que o Governo Federal deverá optar em aprovar as mudanças no Regime Geral e deixar a batata quente para os Governadores e Assembleias Legislativas.

Fico pensando, porque os Deputados Estaduais estão com as pernas bambas para lidar com essa situação. Deveriam ter pensado nisso quando foram candidatos. Hoje, na condição de parlamentares devem, ou deveriam ter a consciência de que “ser Deputado” não é apenas votar requerimentos insípidos, ou realizar sessões solenes e proferir discursos alfarrábios e desconexos com os reais problemas de nossa sociedade. Ser Deputado é enfrentar com altivez e seriedade os problemas da população. É preciso ter a coragem de aprofundar o debate e ser justo nas posições tomadas.

Quanto aos Governadores que foram em Brasília para pressionar os Parlamentares Federais, receberam do Presidente da Comissão da Reforma a Seguinte declaração feita em entrevista coletiva: “os Governadores devem fazer sabe o que??? Calçar a sandália da humildade, vir aqui e dizer, olha, nós não temos coragem de fazer a reforma, queremos pedir aos Deputados Federais que façam por nós. É isso que eles têm que fazer, humildezinhos. Eles não têm que chegar aqui dando ordens – Dep. Marcelo Ramos 06/06/19.

Quando a criança é feia ninguém quer assumir.

Elizeu Gonçalves Muchon – Professor e Jornalista

elizeumuchon@hotmail.com

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.