Buscar

Sem medo de rótulos, motociclista de Nova Andradina prova que lugar de mulher é onde ela quiser

Ela não se intimida quando o assunto é motociclo

Fotos: Redes Sociais

Cb image default

Jussara Hilario é uma motociclista de Nova Andradina que não tem medo de rótulos.

Apaixonada por motos desde sempre, ela contou ao Nova News como o interesse começou.“Adquiri meu primeiro ciclomotor em 2014. Mas antes mesmo disso, já frequentava eventos de motos e carros antigos. Sempre fui atraída por rock n’ roll, que desde sempre foi minha grande paixão. Unir rock e motos, num mesmo lugar, pra mim é fascinante, principalmente por poder dividir isso com pessoas que curtem a mesma coisa,” disse a jovem.

Ela já fez parte de um Moto Clube com amigas de Nova Andradina e Ponta Porã, período em que fez vários amigos. Atualmente, ela faz parte da Império Liga Mundial, escuderia da Liga Mundial de Bikers, um escudo livre para motociclistas independentes presente em todo o mundo. Esse projeto inclui diversas ações sociais. “Não andamos de moto e vamos aos eventos, somente. Também ajudamos crianças, idosos, famílias carentes. Somos uma grande família,” afirmou.

Cb image default

Perguntamos para Jussara se ela já se deparou com alguma situação embaraçosa, como algum comentário machista e ela afirmou: “No mundo das motos, assim como no dia a dia, as mulheres sofrem muito com o machismo e preconceito da sociedade. Os caras se aproximam de mim pra perguntar sobre a moto, muitos com a intenção de me diminuir por ser mulher. Mas se assustam e até ficam sem graça quando falo sobre a mecânica dela, ou das viagens que faço sozinha,” relatou Jussara.

Ela acredita que o motociclismo deve ser inclusivo: “Pra mim não há distinção. Todos somos seres humanos, podemos fazer e ser o que quisermos. Eu comprei minha moto por paixão, por liberdade e não me importo com o que vão pensar. O padrão de mulher na sociedade é aquela indefesa, frágil, submissa, sempre maquiada e magra. Mas posso afirmar que isso é coisa do século passado. Mulheres hoje correm atrás dos seus sonhos, trabalham, estudam e podem ser livres em suas escolhas. Dentro das minhas possibilidades, eu escolhi ser livre. Liberdade pilotando minha motocicleta. Mulheres sejam o que vocês quiserem e ocupem qualquer lugar!", finalizou a jovem.

Vaquinha

A motociclista sofreu um acidente no final do ano passado e rompeu o ligamento cruzado do joelho direito.

Buscando maneiras de auxiliar nas despesas do tratamento, que inclui medicação e fisioterapia diária após a cirurgia, que provavelmente será realizada em abril, ela conta com uma vaquinha online e uma lojinha no instagram que pode ser buscada pelo usuário @friendshelpfrien. 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.